dom, 5 de dezembro de 2021

A PLateia Digital - 04-05/12/2021

Última Edição

Ferradura dos Vinhedos na Rota do Turismo Nacional

O roteiro integrará projeto do Ministério do Turismo que visa fortalecer esta cadeia produtiva nacional
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O roteiro Ferradura dos Vinhedos foi selecionado para participar do programa Experiências do Brasil Rural, criado há mais de 10 anos e desenvolvido pelo Mapa e Ministério do Turismo, em parceria com Universidade Federal Fluminense que busca fomentar a cadeia produtiva do turismo potencializando as diversas regiões do país. Com a participação no projeto, as propriedades rurais de Livramento que integram o roteiro irão receber assistência técnica de diversos profissionais.
O Roteiro Ferradura dos Vinhedos foi criado em 2010, quando iniciaram as primeiras pesquisas de um projeto de extensão da Universidade Federal do Pampa (Unipampa). Já em 2014, a inciativa ficou entre os quatro projetos finalistas em duas categorias do II Prêmio Inovação Turismo RS realizado pela Secretaria de Estado do Turismo. O Roteiro inicia no KM 561 da BR 158 (ou 293), segue por vias vicinais e retorna ao KM 546 da mesma rodovia, onde finaliza. Já no ano de 2017, o projeto Ferradura dos Vinhedos foi reconhecido pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul como roteiro turístico oficial do Estado por um projeto de lei do Deputado Luiz Fernando Mainardi (PT).
A Ferradura dos Vinhedos vem percorrendo um longo caminho, e segundo o atual coordenador do roteiro João Paulo Miranda, professor da UNIPAMPA, Campus-Livramento, esta será uma grande oportunidade de profissionalizar ainda mais os produtos turísticos que já são ofertados pelos empreendimentos que fazem parte da rota, além de possibilitar a criação de novas atrações. “Por meio deste projeto, Experiências do Brasil Rural serão realizadas por diversas mentorias e visitas técnicas a essas propriedades em um primeiro momento para se fazer uma análise de como todo o processo é feito. Depois dessa capacitação ainda existe um mentoria individual. A capacitação é para o coletivo e esta segunda parte é mais pessoalizada”, disse.
Segundo o professor, o projeto irá ocorrer em três fases, de pesquisa e diagnóstico com visitas técnicas e mentoria; e uma terceira fase que é a estruturação de venda desses roteiros e produtos turísticos. “O Ministério do Turismo por meio dos canais que ele possui procura vender em nível nacional e internacional esse roteiro turístico. Nós estamos nesta primeira fase. Toda terça e toda quinta a gente tem se reunido com equipe da Universidade Federal Fluminense, a UNIPAMPA e os produtores para fazer esse diagnóstico.


Sobre a importância de a Ferradura dos Vinhedos estar incluída no projeto, ele destaca como pontos positivos a possibilidade de melhoria dos produtos e serviços do roteiro, a abertura de diálogo e parceria com o Ministério do Turismo do Brasil para possibilidade de venda nacional do roteiro, o que será fundamental para o seu desenvolvimento. Em relação aos entraves e desafios encontrados até agora, o professor João Paulo Miranda destaca que o principal deles é o acesso aos locais turísticos. “Esse é um deles. Pois, temos uma “perna” da ferradura que não é asfaltada. Então, precisamos melhorar o acesso dos turistas ao roteiro que é fundamental. Além disso, são as distâncias, pois a gente está, por exemplo, a 500 km de Porto Alegre e de Montevidéu e 600 km de Buenos Aires. Por outro lado, se formos analisar estamos centralizados entre essas três capitais, e dois deles nacionais. Então, nós temos essa oportunidade do turismo regional que é possível ser feito de maneira rodoviária. Mas é importante pensar isso como produto turístico e o potencial que ele tem. Nós não temos também um aeroporto de grande porte com linha área comercial fixa e isso é um entrave também. Mas é possível ser superado com organização e planejamento, pois estamos centralizados entre três capitais”, diz João Paulo.
Para o professor João Miranda, o Roteiro representa um grande potencial, agregando renda para os produtores, para a economia do município. “Além de diversificar a matriz econômica, com a produção de vinhos, também com a produção de queijo, embutidos, azeite de oliva, noz pecã e mel, o roteiro traz recursos não só de forma direta para os produtores, mas também indireta, com a vinda de turistas, que movimentam o comércio local, a hotelaria, gerando empregos diretos e indiretos”, destaca.
Segundo dados divulgados pela Secretaria Estadual de Agricultura Livramento é responsável por 30% da produção vinícola do Rio Grande do Sul, com cerca de 20 famílias envolvidas na produção de uva e vinho. Em 2020, a região da campanha, que engloba 14 municípios e 17 vinícolas, incluindo Livramento, conquistou o selo de Indicação de Procedência (IP) para vinhos finos tintos, brancos, rosés e espumantes.