Comissão do Mercosul discutiu a possibilidade da inclusão de motoristas no TESTAR RS

Segundo o presidente da comissão, deputado Frederico Antunes, a decisão depende de intermédio do Ministério da Saúde
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Comissão do Mercosul e Assuntos Internacionais esteve reunida através de uma videoconferência na manhã de quarta-feira (29). A reunião ordinária foi conduzida pelo presidente da Comissão, o deputado estadual Frederico Antunes (PP), e contou também com a participação de autoridades do estado, como a Secretária de Saúde do Rio Grande do Sul, Arita Bergmann.
No encontro, foram tratadas as determinações impostas pelo governo do Uruguai a quem deseja ingressar ao país. A exigência de testes e seguros de saúde encareceriam ainda mais as operações no país vizinho, que também é rota para os demais países do Cone Sul da América Latina.

Quem propôs a discussão sobre o tema foi o presidente da Associação Brasileira de Transportes Internacionais (ABTI), Francisco Cardoso, quem afirmou que os profissionais foram pegos de surpresa com as medidas do decreto uruguaio e também não se sentem seguros. “Cada teste custa cem dólares. Embora o Uruguai acene com a possibilidade de aplicação de um teste por 40 dólares, mas isso ainda não é certo”.

Representando a Câmara Municipal de Vereadores de Sant’Ana do Livramento, o vereador Carlos Nilo (PP) encaminhou há poucos dias um ofício solicitando auxílio à Comissão do Mercosul justamente para encontrar uma solução para este tema. Já durante a reunião, Nilo também falou sobre a recusa das seguradoras em fornecer planos que ofereçam a cobertura exigida pelo governo uruguaio. Contatado após a conferência, Nilo se disse satisfeito com o resultado. “Eu achei a reunião boa. Conseguimos mexer com as autoridades, semana que vem vamos ter outras reuniões. […] Estamos nos mexendo rápido, acho que está sendo bem proveitoso um vereador de Livramento mexer com todas as autoridades estaduais, é sinal de que nós estamos bem articulados”, opinou.

A Secretária de Saúde também indicou a possibilidade da inclusão dos profissionais no programa Testar RS. Desta forma, o Estado forneceria os testes, as amostras seriam colhidas em Livramento e os exames seriam processados no laboratório da Unipampa, em São Gabriel. Assim, o tempo de espera reduziria e os custos seriam menores. Agora, segundo Arita, o Executivo Estadual encaminhará um pedido para que o Itamaraty auxilie e agilize as negociações com o governo uruguaio.

Questionado sobre os próximos passos, o líder do governo de Eduardo Leite, o deputado Antunes disse que a decisão depende de uma intervenção do Executivo Federal. “Nós estamos aguardando a Secretaria da Saúde mandar para o Ministério da Saúde a solicitação de uma providência específica para poder regrar que os caminhoneiros poderão passar simplesmente com um teste rápido e não com o RT-PCR. O Ministério da Saúde vai ter que responder isso falando com o Ministério das Relações Exteriores e com o Governo Federal. Estamos aguardando essa formalização”, pontuou.