Respirador vira aliado na guerra contra a Covid-19

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Estima-se que 5% dos infectados pelo coronavírus precisam de respiração assistida

Eles são a última esperança para a maioria dos pacientes gravemente afetados pelo novo coronavírus. Mas, nem mesmo os sistemas de saúde dos países mais ricos do mundo estão equipados com a quantidade de respiradores que a pandemia da covid-19 pode exigir. Isso já obrigou os médicos da Itália e da Espanha a tomarem a difícil decisão de quais pacientes conectar a essas máquinas e quais não — o que, em muitos casos, equivale a uma sentença de morte.
E, na corrida desesperada para suprir o déficit de respiradores, governos de todo o mundo têm exigido que indústrias de todos os tipos — de montadoras a fabricantes de aspiradores de pó — coloquem toda a sua capacidade de produção para fabricar o produto. Os respiradores são necessários, pois estima-se que aproximadamente 5% dos pacientes com covid-19 acabem sofrendo a chamada síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA).

Como explica o diretor técnico do Centro Hospitalar Santanense José Antônio Tors, médico, “Quando o vírus penetra nas vias respiratórias, ele causa uma pneumonia viral que produz uma tempestade inflamatória dentro de todo o sistema respiratório. É o que se chama na medicina de tempestade de citosina, e quanto maior essa tempestade maior é a reação dentro do organismo e maior o estrago no paciente. Podemos comparar a uma chuva, quanto mais chuva, maior será estrago. Em algumas pessoas, como diabéticos, hipertensos ou cardiopatas, essa tempestade é muito maior. Então, são essas pessoas que fazem parte desses 5% que precisam ir para a UTI. E são eles que vão precisar dos respiradores. Porque o vírus ataca de tal maneira os pulmões e o sistema respiratório, a pessoa já não consegue mais fazer a troca de gases dentro do pulmão e com isso ela entra em insuficiência respiratória é aí, neste momento, quando a saturação de oxigênio cai abaixo de 93% que a pessoa precisa ser entubada”, destaca.

Segundo o Dr. Tors, o grande número de médicos infectados por Convid-19, tem se dado justamente pelo procedimento de intubação. “É justamente durante este processo que o médico que vai fazer a intubação corre grande risco de contaminação porque qualquer tosse que o paciente der durante o procedimento ela elimina milhares de vírus que pode infectar a pessoa que irá fazer o processo. Por esse motivo muitos médicos da linha de frente estão morrendo” disse.
Para o médico, sem dúvida nenhuma, os respiradores são equipamentos fundamentais na luta neste combate contra a pandemia pois desempenham uma função que auxilia na recuperação do paciente em estado grave.

Atualmente, o Hospital CHS possui 6 leitos na UTI e cada um deles com um respirador e mais 6 da Movilcor. Já a Santa Casa de Misericórdia possui 14 respiradores, muitos deles adquiridos com doações da comunidade santanense.

Matias Moura
matiasmoura@jornalaplateia.com

Crianças podem tomar café?

O café é uma das bebidas mais consumidas no Brasil e tem adoradores por todo o mundo. Sempre quentinho, com um sabor sem igual e