Americano vem a Fronteira para desenvolver tese sobre o imaginário racial indígena

Sant’Ana do Livramento foi palco, nessa semana, de uma pesquisa de cunho internacional. Realizada pelo doutorando Ryan Morrison, da Universidade do Texas, em Austin, nos Estados Unidos, o estudo é voltado para o seu artigo que tem o objetivo de analisar o tema do imaginário racial indígena da região do Pampa. “Meu principal objetivo é fazer uma análise do ponto de vista local, já que o que chama a atenção são as obras que falam sobre a questão negra-racial”, afirmou.
Morrison faz doutorado em Língua e Cultura Latino-americana, área na qual também é professor na Faculdade de Espanhol e Português. Ele permanece no Rio Grande do Sul até o final de agosto, por meio de uma bolsa de estudos, para se dedicar ao trabalho de campo, antes de voltar para escrever e apresentar a tese, o que deve acontecer em 2022. “Sinto-me um privilegiado por realizar esse trabalho”, afirma.
A pesquisa analisa a presença real do povo negro na lida no pampa, comparando a narrativa escrita e consagrada com a oralidade, presente no campo e em quilombolas do RS. Além do confronto de ideias, Morrison busca uma abordagem questionando como o negro confronta esse imaginário, inclusive a partir de lendas tradicionais, como a do Negrinho do Pastoreio e suas representações imagéticas retratadas em pinturas e esculturas.
Na Fronteira da Paz, Morrison foi recebido pelo representante da oficina de Inclusão da Intendência, Jose Luiz Martinez, e pelo diretor do departamento de Cultura de Livramento, o professor João Batista Conceição. Ambos profissionais puderam apresentar um radiografia da vida do negro na região. “Penso muito na dificuldade que essas pessoas passam e sei do meu lugar, ou seja, da minha responsabilidade ao elaborar essa tese”, enfatizou o americano.

Grupo Aplateia