dom, 21 de abril de 2024

Variedade Aplateia | 20 e 21.04.24

Área ocupada há mais de 30 anos na Marechal Mallet será doada ao município pela Associação e Sindicato Rural

A área, de cerca de 1 hectare e meio localizada nos fundos do Parque de Exposições Augusto Pereira de Carvalho, pertence à Associação Rural
Reunião aconteceu na Rural de Livramento

A diretoria da Associação e Sindicato Rural de Livramento vem trabalhando, nos últimos anos, em diversas iniciativas que visam trazer benefícios tanto para a população urbana, quanto para rural como, por exemplo, a implantação de uma escola técnica agrícola no município, a doação da área onde está localizada a Escola Estadual Olavo Bilac, e a criação do condomínio Altos da Rural, que irá gerar grande desenvolvimento para o bairro Prado, e um projeto de equoterapia.
Além disso, uma série de mudanças estruturais estão sendo realizadas no Parque de Exposições Augusto Pereira de Carvalho que em breve irá contar com um centro administrativo e um projeto urbanístico. Dentro dessas mudanças propostas, está a doação de uma área de 1 hectare e meio que foi ocupada há mais de 30 anos e está localizada nos fundos do Parque da Rural na Rua Marechal Mallet.
Nesta semana, uma primeira reunião foi realizada no Sindicato Rural para tratar do assunto com o Executivo Municipal. O encontro aconteceu na manhã da segunda-feira (26), com a participação da diretoria da entidade; com o prefeito em exercício Evandro Gutebier; com o secretário de planejamento, Paulo Ricardo Ecoten, e com o vereador Maurício Galo Del Fabro para tratar sobre a regularização fundiária daquela área
No encontro, o presidente da Rural, Luis Carlos D’auria explanou a necessidade de realizar a doação da área para o município por conta de todos os reajustes que estão sendo feitos para as melhorias do Parque de Exposições Augusto Pereira de Carvalho.
Segundo D’auria, o Parque da Rural, quando foi criado, estava em uma zona distante da área urbana do município, mas hoje em dia pertence à região central de Livramento. Durante o encontro, foram feitos os trâmites necessários para que a doação fosse realizada. “A cedência dessa área da Rural para a prefeitura tem dois aspectos: o primeiro deles é a questão social, porque nós temos ali um agrupamento de casas sem infraestrutura e sem condições mínimas para os moradores. São construções irregulares que estão se perpetuando por mais de 30 anos. Então, essa foi uma medida tomada no nível da diretoria para que a prefeitura possa futuramente organizar a regularização fundiária daquela área que mede aproximadamente 1 hectare e meio”, disse.
O presidente comenta ainda que, após todos os trâmites de doação da área que pertence a Associação Rural, a prefeitura poderá organizar o projeto urbanístico e de criação de uma melhor infraestrutura para os moradores.
O prefeito em exercício, Evandro Gutebier, por sua vez comemorou o anúncio, embora um caminho bastante longo precise ser percorrido para que a doação seja feita dentro da legalidade para que o município, nos próximos anos, possa regularizar a área e promover uma melhoria na qualidade de vida dos moradores. “A Rural teve a iniciativa de nos procurar para realizar essa doação, e nós temos todo o interesse que aquela área seja regularizada, para que as pessoas que ali residem possam ter a devida posse de propriedade. Esperamos os próximos passos que irão nos dizer, juridicamente, os nós e o que podemos fazer para que essa área fique regularizada. Nós sabemos que no público é necessário respeitar todos os prazos, mas temos sim interesse em regularizar aquela área e promover uma melhoria de vida para as pessoas que ali residem”, destacou.

Até quando mulheres serão mortas por serem mulheres?

Revoltante. Esta é uma das palavras que pode ser utilizada para adjetivar os casos de feminicídios que estão acontecendo na Fronteira “da Paz”. Onde está a sociedade quando um crime desses acontece? Sim, sociedade. Apesar dos territórios, sejam eles brasileiro ou uruguaio, terem por dever garantir a segurança dos seus cidadãos, todos que fazem parte da comunidade têm uma parcela