seg, 4 de março de 2024

Aplateia Digital | 02 e 03.03.24

Última Edição

Conheça a história por trás do título de Capital Nacional da Ovelha

Durante a Feira de Ovinos, os responsáveis pelo projeto de lei,ex-vereador Zulmir Rasch e o ex-presidente da Rural, Luiz Cláudio Andrade, além do senador Luiz Carlos Heinze foram homenageados
ex-vereador Zulmir Rasch e ex-presidente da Rural Luiz Claúdio Andrade (Foto: Matias Moura/AP )

Na manhã de sábado do dia 20 de janeiro, foi realizada uma cerimônia dentro da programação da 46ª Feira Ovinos de Verão quando foi inaugurada a placa em homenagem à Capital da Nacional da Ovelha. O ato foi em reconhecimento do senador da República, Luiz Carlos Heinze, autor da Lei 14.570. de 5 de maio de 2023, que conferiu o título ao município. Além do senador, foram homenageados o produtor rural e ex-presidente da Rural, Luiz Cláudio de Andrade, que esteve à frente da entidade nos anos de 2012 a 2018, e ao ex-vereador Zumir Rasch que foi um grande articulador em todo o processo em Brasília.
Para o presidente da Rural, Luiz Carlos D’Áuria Nunes essa foi uma justa homenagem às pessoas que trabalharam para que o título de Capital Nacional da Ovelha fosse conferido ao município. ”Nada mais justo que fazer essa homenagem, pois todo o trabalho iniciou na gestão do Luiz Cláudio e se concretizou na nossa gestão”.
O presidente da ARCO (Associação Brasileira de Criadores de Ovinos), Edemundo Gressler, esteve presente na cerimônia e em sua fala reafirmou a importância de Livramento no cenário da ovinocultura nacional. “Sem dúvida, essa homenagem é mais que merecida, pois aqui foi fundada a nossa entidade, hoje com sede em Bagé. Livramento também se mantém com o maior rebanho ovino do país, além de toda a sua história ligada ao setor. Nós, da ARCO, acreditamos em uma retomada dessa atividade tão nobre, com foco na produção de lãs finas e no mercado de carne de qualidade. Tenho dito que, sem dúvida nenhuma, podemos tornar o Brasil um país exportador de proteína ovina”.
Durante a cerimônia, o vice-presidente da Rural, Jair Menezes, leu um registro de fatos que marcaram a história santanense e a ovinocultura, o porquê dr o munícipio ser, sim, merecidamente a Capital da Ovelha. ”A nossa Associação Rural de Livramento tem 104 anos de história e temos aqui em Livramento toda a cadeia produtiva da ovelha, carne, lã , leite e pele. Aqui, tivemos a Fundação da ARCO (Associação Brasileira de Criadores de Ovinos ) em 18 de janeiro de 1942, e hoje está em Bagé com 82 anos. Nos seus tempo áureos, o município chegou a ter a maior população ovina do Brasil: um milhão e cem mil ovinos, hoje o município tem em torno de 350 mil ovinos. Foi aqui que aconteceu a introdução da Raça Texel no Brasil por dois primos: Orlando Pires Martins e Davi Fontoura Martins. Já no ano de 1985 foi realizado no município o 8ª Congresso Mundial de Corriedale quando participaram 10 países sendo o maior evento em número de participação das nações até hoje Brasil, Uruguai, Argentina, Chile, Peru, Bolívia, África do Sul, Nova Zelândia, Austrália e Estados Unidos. Tivemos a maior cooperativa de lã do Brasil, segundo informações de um dos seus ex-presidentes onde a Cooperativa chegou a receber, em 1 ano, mais de 4 milhões de quilos de lã. Livramento contou também em sua história ovelheira, com o lanifício mais moderno da América do Sul, chamado Lanifício Thomaz Albornoz onde a sua produção era comercializada diretamente para a Europa. O Frigorífico Armour que chegou a abater na sua capacidade máxima mil cordeiros por dia e também a cooperativa santanense que chegou a abater 800 cordeiros/dia. Então tivemos a capacidade de abater 1.800 ovinos por dia.

Monumento à ovelha (Foto: Matias Moura/AP )

O município teve também dois curtumes, um deles chamado Lang e o outra pertencente à Orlando Pires Martins. Atualmente está em pleno funcionamento o Frigorifico Estância especializado no abate de carne ovina que é exportada para todo o Brasil. Atualmente Santana do Livramento conta também com o projeto da empresa Tecno Lã Sul que em breve irá abrir as suas portas no Beneficiamente de lã. Aqui temos a Lã mais fina do Brasil produzida que pela Cabanha M Lanera de propriedade de Sônia e Zeca Silveira com base em análise de micronagem e que em 1 anos chegou a comercialização o produto a 10 dólares o quilo. Tivemos um presidente e um vice-preisdente da ARCO.
Foi realizado aqui um remate de 11 cabanhas de Corriedale, que chegou a comercializar 3 mil animais. E mais recentemente tivemos a fundação da Associação Brasileira de Criadores de Dhone Merino 23 .6 2023 cujo o presidente é Fernando Gazapina Martins, sendo que em sua história o município conta 13 presidentes de associações nacionais de raça. Por tudo isso, é que Livramento merece esse reconhecimento” disse.
O ex-presidente da Rural Luiz Claúdio Andrade , agradeceu a homenagem enquanto o ex-vereador Zulmir Rasch relembrou como surgiu a ideia de buscar o título para Livramento.“ Numa memorável noite do dia 15 de fevereiro de 2015 , o Jair Menezes e o Luiz Claudio Andrade em um encontro comigo, entre uma conversa e outra. Falavam a importância de se criar um lei como essa e uma outra lei que estabelecesse o dia nacional da ovinocultura. E a partir daquele momento nós elaboramos o texto das duas leis. Capital Nacional da Ovelha e Dia Nacional da Ovinocultura, no dia 19 de janeiro onde se comemora o aniversário da ARCO. Apresentamos para a diretoria da Rural, e posteriormente levei o projeto para o Heinze e o outro para o Afonso Hann. Esses projetos caminharam simultaneamente em Brasília. Mas chegaram aos mesmo tempo no senado. Ele foi primeiro para a comissão de cultura da câmara , onde estava demorando bastante e eu fui lá ver o que estava acontecendo. Na época a secretária me diz que nós teríamos que fazer um relatório que provasse que a cidade é merecedora, fizemos um apanhado histórico e foi aprovado. Esse projeto ficou 4 anos na câmara, e depois foi para o senado. Lá foi para a comissão de educação e cultura onde o relator foi o Lazier Martins, onde ele deu um parecer pela aprovação. Depois do parecer, cabia somente ir ao plenário, mas veio a pandemia. Só em abril de 2023 que foi aprovado pelo senado federal, e no dia 5 de maio sancionado pelo presidente da república. Não foi nada fácil, tinha outros municípios querendo esse título e nós conseguimos trazer para cá. Todo esse empenho para a sua aprovação, foi uma maneira de demostrar gratidão por essa terra que me acolheu tão bem, eu e a minha família. Espero que esse título venha de alguma maneira ajudar Livramento a conseguir recursos e investimentos para o setor e para o município”.