qua, 17 de julho de 2024

LOGO GRUPO A PLATEIA capa branco
Variedades Digital | 13 e 14.07.24
Aplateia Digital | 13 e 14.07.24

Última Edição

Por 5×4 Uruguai perde para o Peru nos pênaltis e é eliminado da Copa América

 

Nem a torcida e as boas vibrações que foram enviadas da fronteira da paz foram capaz de mudar o resultado do jogo. Na tarde deste sábado centenas de riverenses saíram às ruas para acompanhar o jogo de Uruguai x Peru que valia uma vaga na semi-final da Copa América 2019. O torcedores cobriram de azul e branco o lado uruguaio do Parque Internacional para acompanhar a partida que foi bastante tensa. Mas infelizmente o grito de gol ficou preso, depois dos gols anulados da celeste. O jogo foi para a loteria dos pênaltis, os uruguaios saíram cobrando, mas desta vez uma das estrelas  da seleção uruguaia estava apagada, Suarez errou a cobrança e o Uruguai acabou perdendo por 5×4 sendo assim eliminado. A expectativa pela classificação da celeste e uma possível final entre Brasil e Uruguai mais uma vez ficou adiada. ( Texto: Matias Moura – Jornal A Plateia

Peru segura ímpeto uruguaio

O Uruguai jogou bem melhor na tarde deste sábado. Mas como o futebol não está nem aí para isso, o Peru está classificado para as semifinais da Copa América e vai pegar o Chile. Não que os uruguaios tenham desfilado um excelente futebol na Arena Fonte Nova, mas foram eles de fato que buscaram mais o jogo e chegaram até a balançar as redes três vezes – todas elas bem anuladas. Com o empate sem gols no tempo normal, a decisão foi para os pênaltis. Todo mundo converteu, com exceção de Luis Suárez.

 

Gols bem anulados

Foram TRÊS gols anulados do Uruguai neste sábado. Os três por causa de impedimento. No primeiro tempo, Arrascaeta balançou as redes com um chute de dentro da área, mas Nández estava impedido no início da jogada. Na etapa complementar, Cavani e Suárez também marcaram, mas em posição adiantada. Importante dizer que o assistente levantou a bandeira em todos os lances, mas só nos dois últimos o árbitro aguardou a comunicação do VAR para dar sequência ao jogo. De fato, a irregularidade no gol de Arrascaeta era bem mais clara.

 

Primeiro tempo

O jogo começou truncado em demasia. Com o meio de campo povoado, restou às equipes o chutão para frente, e o resultado disso era a bola para lá e para cá sem parar no chão. A primeira chance veio só aos 14, com cabeçada de Suárez por cima do gol. Nández, dois minutos depois, também levou perigo chegando pela direita. O Uruguai se organizou principalmente a partir do momento em que Bentancur, jogador da Juventus, dominou a meia canche. Cavani aos 23 perdeu oportunidade incrível após o rebote de Gallese, e, logo em seguida, Arrascaeta abriu o placar, mas o árbitro anulou corretamente apontando impedimento. Com Guerrero isolado, o Peru pouco ameaçou. E a chuva forte que caiu na capital baiana dificultou ainda mais as coisas para as seleções.

 

Segundo tempo

Os primeiros minutos mostraram uma seleção peruana mais atrevida e ocupando com mais frequência o campo ofensivo. Só que durou pouco. Num piscar de olhos, o Uruguai retomou o controle do jogo. Godín chutou por cima em grande chance, e Cavani e Suárez chegaram a balançar as redes, mas estavam em posição de impedimento. O vislumbre de levar a decisão para os pênaltis passou a ser o objetivo do Peru, que se fechou na defesa e fez os últimos minutos se arrastarem.

 

Cadê os gols?

Essas são as quartas de final com a menor quantidade de gols em toda a história da Copa América. Foram três empates em 0 a 0 (Brasil x Paraguai, Chile x Colômbia e Uruguai x Peru), e a única seleção que contribuiu com bolas na rede foi a Argentina, que venceu a Venezuela por 2 a 0

Texto : Globo Esporte

Fotos: Matias Moura/AP

Lorenzoni e Camozzato oficiam MP de Contas sobre projetos do governo que reestruturam carreiras

Os deputados Rodrigo Lorenzoni (PL) e Felipe Camozzato (NOVO) protocolaram na tarde desta quarta-feira (17), no Ministério Público de Contas do Estado do Rio Grande do Sul, ofício alertando o Procurador-Geral Ângelo Borghetti sobre possível manobra fiscal imprudente e gestão temerária por parte do governador Eduardo Leite.   A decisão de recorrer ao MPCRS foi tomada após os deputados conhecerem