qua, 17 de julho de 2024

LOGO GRUPO A PLATEIA capa branco
Variedades Digital | 13 e 14.07.24
Aplateia Digital | 13 e 14.07.24

Última Edição

Pais, alunos e professores protestam por falta de transporte escolar em Livramento

A manhã desta quarta-feira (21) foi marcada por mais uma manifestação de pais, alunos e professores na Câmara de Vereadores por causa da falta de transporte escolar em, pelo menos, quatro escolas do interior do Município. Além disso, estudantes que se deslocam da zona rural para assistir às aulas na zona rural também estão impossibilitados de fazer o trajeto por causa da falta do serviço. “O Executivo está sendo omisso” afirmou a diretora da escola Cláudio Moreira, Paula Bougleux.

Da Câmara, os Manifestantes foram para a 19ª Coordenadoria Regional de Educação pedir apoio e o restabelecimento do transporte escolar no Interior do Município.

Responsável pelo transporte escolar na 19ª CRE, a professora Ivani Sanches disse que mais de R$1 milhão foram repassados ao Município e que a responsabilidade até o fim do ano é do Executivo Municipal.

O Executivo informou que já trabalha no caso e fará o possível para a retomada dos serviços o mais breve possível. “As alternativas ainda estão sendo estudadas, provavelmente novas dispensas sejam realizadas. Com isso, mais uma vez o Executivo arcará com despesas muito maiores do que os valores dos repasses do Estado”, informou a Prefeitura por nota.

Enquanto o imbróglio administrativo não é resolvido entre os Governos, os alunos ficam sem aulas e os pais pedem solução.”Queremos que esta situação seja resolvida agora, pois nossos filhos estão sem aulas”, disse Sandra Mendes, mãe de um aluno.

Fotos Marcelo Pinto

Fotos Matias Moura

Lorenzoni e Camozzato oficiam MP de Contas sobre projetos do governo que reestruturam carreiras

Os deputados Rodrigo Lorenzoni (PL) e Felipe Camozzato (NOVO) protocolaram na tarde desta quarta-feira (17), no Ministério Público de Contas do Estado do Rio Grande do Sul, ofício alertando o Procurador-Geral Ângelo Borghetti sobre possível manobra fiscal imprudente e gestão temerária por parte do governador Eduardo Leite.   A decisão de recorrer ao MPCRS foi tomada após os deputados conhecerem