seg, 17 de junho de 2024

Variedades Digital | 15 e 16.06.24

“Não houve acordo”, diz juíza na audiência sobre o transporte escolar do município

Município não prestou contas e estado não pode repassar a verba para seguir operando

Nesta quinta-feira (06), aconteceu uma audiência no Salão do Júri, no Fórum, para debater sobre a situação do transporte escolar no município. O ato foi aberto ao público em geral. Na oportunidade, estiveram presentes alunos, familiares, representantes do legislativo, executivo e judiciário.

Crianças levaram cartazes manifestando sua preocupação e indignação com o transporte e com as estradas rurais. Alguns cartazes diziam: “Na luta pelo direito de estudar; Queremos aula; Cadê o transporte escolar?; Queremos estudar; Não tem estrada, não tem transporte, as pontes estão caindo, depois você vem pedir meu voto!; Por melhorias nas estradas rurais; Educação do campo, direito nosso, dever do estado!;  Estradas e pontes de qualidade; Contra a terceirização na educação”, todas elas solicitando o direito à educação que qualquer cidadão deveria, no mínimo, ter.

Na audiência não foi realizado nenhum acordo. Segundo a juíza Carmem Lúcia da Fontoura, o ato foi bem positivo porque foi um momento para o Ministério Público esclarecer e se manifestar. O Procurador do Estado também falou a respeito da posição do Estado e do Município para que as pessoas pudessem entender qual o motivo do impasse.

O Programa Estadual de Apoio ao Transporte Escolar (Peate) foi feito entre o município e o estado para facilitar o transporte escolar. O valor para ser pago tem, mas está empenhado porque não houve prestação de contas para o estado repassar a verba.

“No momento que a gente trata com dinheiro público, qualquer verba que é disponibilizada tem que ser prestada na conta. O município informou que não fez esse repasse porque não houve uma prestação de contas por parte do município, isso é lamentável porque nós não estamos falando de falta de dinheiro, estamos dizendo que o valor que está sendo liberado não esteve em prestação de contas. Em razão disso não teve um acordo”, comenta a Juíza.

Gislaine Greceler, coordenadora regional de educação, diz que o município não prestou contas para o Estado e que há vários meses estão nessa promessa que até o momento não se efetivou.

O Ministério Público vem monitorando há muito tempo essa situação. Diego Barros, promotor de justiça, diz que fica muito triste pelo fato das crianças não estarem em sala de aula com o transporte adequado e espera que se isso se resolva da melhor forma possível, especialmente na conciliação. “O ideal a gente sempre acha que é o transporte em uma rede única, mas como há uma diferença nas redes estaduais e municipais e a responsabilidade ser do estado, a gente ingressou contra o estado, mas esperamos que o município também seja sensível nessa demanda e dê um auxílio para o estado nisso”, finaliza.

Enquanto não há acordo, alunos e professores ficam prejudicados e não podem completar o ano letivo. “Decidimos ampliar esses dias letivos, mas não vai dar tempo porque enfrentamos chuva e problemas de estradas péssimas. Com isso, em janeiro, fevereiro, março e abril vamos ter que trabalhar para recuperar esses dias. Vamos emendar um ano no outro. Talvez em maio consigamos completar o ano de 2018, iniciamos 2019 e isso vai se protelando.  É inviável que na mesma família passa um ônibus do estado para pegar um aluno e um outro transporte para pegar quem é do município. É um gasto a mais que não é necessário”, destaca Rossana Zenobia, diretora da Escola Coxilha de Santo Inácio na localidade do Itaquatiá.

Confira mais detalhes na edição impressa deste fim de semana.

Fotos e texto: Lauren Trindade/AP.

 

 

Solidariedade em prol do RS

Chegamos aos 80 mil Nessa jornada todos foram extremamente importantes. Nós, voluntários, queremos continuar. As doações pararam… estamos praticamente sem recurso financeiro para compra dos insumos. Estamos com novo pix,  Leda 51998075161 Nos ajuda a ajudar os outros. Obrigada Turma do Cachorro Quente menos