dom, 26 de setembro de 2021

Aplateia Digital - 25/09/21

Última Edição

Futuro da hemodiálise em Livramento continua indefinido

Renovação de contrato entre Prefeitura e Cardio Nefroclínica ainda não foi feita e posicionamentos mostram opiniões divergentes sobre o valor do serviço
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Os pacientes e familiares que utilizam o serviço de diálise da Cardio Nefroclínica através do Sistema Único de Saúde (SUS) ainda estão com o futuro incerto depois de um comunicado à comunidade santanense de que o contrato para tratamento encerra neste mês e que não há possibilidade de renovação nos termos vigentes. De acordo com a nota divulgada pela Clínica, os valores repassados por parte do SUS não são reajustados há mais de cinco anos, não tendo mais como arcar com o custo das sessões de diálise.
De acordo com o médico responsável técnico da clínica, João José de Freitas, a empresa vem, desde julho, mantendo diálogo com o poder executivo, a fim de que o contrato e os valores dos serviços possam ser realinhados. “É evidente que a tabela do SUS está defasada há muitos anos, mas mesmo assim vínhamos suportando o prejuízo de dialisar pacientes do SUS. Estamos abertos para sentar e discutir um novo diálogo, se não contemplar um aumento do preço da diálise, quem sabe contemple a redução de custos”, afirmou.
Em nota, a Prefeitura informou que a clínica não manifestou interesse na manutenção dos serviços, sendo que a partir do dia 29 de setembro os pacientes serão encaminhados para outras localidades, a fim de não interromperem o tratamento. Procurado, o secretário Municipal de Saúde, Paulo Vargas, informou que se manifestará após o término do contrato com a Clínica, sendo que no momento a prioridade é comunicar pessoalmente os pacientes atendidos e posteriormente ir em busca de soluções definitivas sobre este assunto.
O serviço de diálise é referenciado pelo Governo do Estado, por isso, a Secretaria Estadual de Saúde definirá onde será a próxima referência de diálise de Sant’Ana do Livramento no Estado. Na quinta-feira (09), durante o programa Conversa de Fim de Tarde, a prefeita Ana Tarouco (DEM) destacou que não há possibilidade do município cobrir o valor. “O que se quer é repassar o custo que se está tendo a mais para o município e para o SUS, nós não temos como abarcar”, explicou a prefeita, destacando já está estudando as alternativas possíveis para a continuidade do serviço.
O secretário municipal de Saúde, Paulo Vargas, afirmou também que a não continuidade do contrato foi elencado pela Cardio Nefroclínica e que há muito tempo está discutindo o contrato para que o mesmo não se encerre. “Nós queremos tranquilizar a população, principalmente aos familiares e também aos pacientes de hemodiálise, que eles irão continuar com o tratamento. É uma situação grave e trabalhamos junto com a prefeita Ana Tarouco, para que fique aqui, para que essa referência estadual continue aqui, dando conforto e qualidade a esses pacientes. Caso isso não ocorra, vamos fazer o transporte para outra cidade que possa ser a referência”, destacou o secretário.