dom, 5 de dezembro de 2021

A PLateia Digital - 04-05/12/2021

Última Edição

Região do Sarandi passou por estudo para exploração de pedras preciosas

“Nós trabalhamos com extração de pedra ágata por 10 anos”, diz produtor rural
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Nas últimas semanas um estudo recentemente divulgado pelo Serviço Geológico do Brasil recebeu a discussão sobre o potencial mineral da região da fronteira com o Uruguai para obtenção de pedras semipreciosas. Esta atividade de mineração nos campos de Sant’Ana do Livramento não é recente, sendo que muitas propriedades da região do basalto (campos que vão em direção de Quaraí) vem realizando pesquisas e atividades de extração da pedra ágata.
A informação nova que o estudo feito pela pesquisadora e geóloga gaúcha Magda Bergmann traz é que a província geológica Los Catalanes, do Uruguai, avança em terras gaúchas, proporcionando significado potencial para a ocorrência de ametistas. Segundo a geóloga Jéssica Godoy, da Secretaria de Agricultura do munícipio, atualmente, já existe uma propriedade com mineração em desenvolvimento após a construção de uma barragem revelar existência do mineral. Jéssica explica que o solo é dividido por camadas geológicas e que as ametistas se encontram em uma profundidade maior do que a pedra ágata que geralmente é mais superficial. Para realizar o estudo em determinadas áreas de campo é necessária uma série de autorizações e vasta documentação.
Atualmente, existe muita discussão sobre a degradação do solo com a atividade de mineração, pois as jazidas que são abertas no campo deixam enormes buracos. Neste caso, segundo explica a Jéssica Godoy, no termo de autorização da atividade a empresa responsável pela mineração é obrigada, após o término da atividade, fazer a recuperação da área degradada.
A reportagem do Jornal A Plateia esteve visitando uma propriedade na região do Sarandi onde os proprietários trabalharam mais de 10 anos na atividade de mineração da pedra ágata. Segundo o produtor rural Marcelo Guerra, foi realizada uma parceria com uma empresa de mineração que era responsável por todo o processo. As pedras extraídas eram beneficiadas e posteriormente comercializadas com a China onde, na época, havia um grande mercado.
Segundo o produtor, a atividade foi muito importante durante o período em que foi realizada, pois foi mais uma fonte de recursos financeiros. “É uma atividade muito interessante e o impacto no campo foi mínimo. Hoje, 10 anos após a mineração, praticamente toda a área foi recuperada. E o pasto já tomou conta. Realizamos todo o estudo e uma parceria com a empresa que era responsável pela mineração. Aqui foram encontradas apenas a pedra ágata. Já a ametista não foi encontrada aqui”, disse o produtor.