Moradores da avenida Camilo Alves Gisler cobram redutores de velocidade no local

Em menos de um mês, dois acidentes ocorreram na via
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A avenida Camilo Alves Gisler foi a primeira via santanense a ser asfaltada com recursos vindos do megaleilão do pré-sal do Governo Federal. As obras de recuperação da via foram entregues no mês de março e contemplaram um importante trecho que conecta o Armour à Tabatinga. Entretanto, o que era para ser mais um passo em direção ao progresso, acabou, por hora, se tornando um pesadelo.
Isso porque, desde a liberação da via, os moradores convivem diariamente expostos ao risco provocados pelos condutores que transitam pelo local em alta velocidade. Somado a isso, também há o fator ruído que, com a faixa de rolamento estando em perfeito estado, os condutores, principalmente os motociclistas, abusam das altas velocidades, o que resulta em um barulho praticamente ensurdecedor para os residentes do local.
Ainda de acordo com os moradores, além do incômodo gerado pelo barulho, o maior temor é com a segurança, principalmente no período da noite, pois o risco aumenta pela falta de iluminação adequada em alguns pontos da via. A prova disso, foram dois acidentes registrados na via em um espaço menor do que 30 dias.
O primeiro, ocorreu no início do mês de agosto, quando uma motocicleta que circulava no sentido bairro-centro, perdeu o controle e acabou atingindo em cheio uma lixeira que estava instalada em um dos lados da via. O condutor resultou com alguns ferimentos. No dia 28 do mesmo mês, um idoso, que sofre de problemas mentais, atravessava a rua quando foi atropelado por um automóvel que se dirigia em direção à Tabatinga.
O homem, de aproximadamente 70 anos, chegou a ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros, mas faleceu em decorrência dos ferimentos. O condutor relatou à Brigada Militar que não circulava em alta velocidade, mas não enxergou o idoso pela falta de iluminação no local. A saída apontada pelos moradores, seria a colocação de quebra-molas ao longo da via, para desestimular os condutores a imprimir altas velocidades no local.
Em contato com a Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade Urbana (SMTTMU), a Reportagem foi informada de que os trabalhos para a instalação de redutores de velocidade no local já foram iniciados. Ainda segundo a Secretaria, dois pontos da via receberiam os tachões no modelo lápis, como prevê o Contran (Conselho Nacional de Trânsito). O primeiro seria próximo a Estratégia Saúde da Família (ESF) Maria Abegahir e o segundo próximo à ponte do arroio Carolina e a instalação deve acontecer até o final de setembro.
A respeito da iluminação, a Reportagem tentou conversar com o responsável pela Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SMSU), para falar a respeito da iluminação no local, mas não foi possível localizá-lo.