Saudosista – Eis a Questão!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Nunca me considerei alguém presa ao passado, seja em que setor for (ufa! Esta palavra foi por demais técnica, vocês não acham?). Com ser presa ao passado, refiro-me a ficar só nas lembranças tipo: quando eu era criança lá em “Barbacena”… minha juventude na Sarandí (quem é de Livramento sabe),,, e por aí vai. Gosto de, eventualmente, lembrar, citar como exemplo alguns fatos de minha vida pregressa ou até mesmo sentir uma certa nostalgia, passageira, é verdade. Mas, sem alguns clichês de “meus amados parentes…”. Nada disso. É óbvio que alguns parentes que já partiram me deixaram um vazio, e não apenas me refiro aos parentes que morreram, também a algum ser vivente que passou por minha vida ontem ou há 20, mas nem por isso eles se tornaram perfeitos em sua ausência e esta ausência me provoca depressão ou um vazio profundo. Eu também vou partir, o lugar e o momento vai depender da situação: uma hora dessas… Como todos nós. É a lei da vida e do universo.

Todo este preâmbulo é para dizer que sim, o passado faz parte de nossa história, ele (o passado) se for bem aproveitado nos trará sabedoria daquela, tipo: não devemos agir assim porque os resultados já foram desastrosos, politicamente falando. Mas, infelizmente, o ser humano não aprende. Uma vez ouvi de alguém por quem eu tenho um grande afeto e admiração, e certamente a frase não era dele: O homem é o único animal que tropeça na mesma pedra duas vezes. Fui pesquisar o autor da frase (agora, neste momento) e, lamento, mas está sendo atribuída a alguém em 2017, mas eu a ouvi em 1980 e lá vai bolinhas. Enfim, pena que o autor se perdeu no anonimato.
Minha coluna não é uma fábula, mas apenas um momento de abstração quando começo a fazer um paralelo entre as coisas que leio de meus conhecidos e amigos (leia-se Facebook), e minha realidade, aqui nesta Fronteira que eu amo tanto, falando sobre diversos assuntos parece que o norte foi perdido com este tão famigerado vírus. Algumas pessoas aproveitaram a oportunidade para se disfarçarem de boas, algumas pessoas aproveitaram a oportunidade para escancararem sua excessiva bondade e humanidade para tirarem proveito dessa oportunidade e algumas pessoas, inteligentes, racionais, puseram os pés no chão e chegaram à conclusão: tem alguém aí se fingindo de cordeiro quando é lobo!
Que me perdoem os que pensam: “pois é, eles não pensam nos outros!” Lamento, mas na minha opinião esta frase não passa de um clichê! Porque a maioria quando diz isso, simplesmente repete feito papagaio sem realmente pensar nos outros.

O pavor do “vento encanado”

Gilberto Jasper Jornalista/gilbertojasper@gmail.com Durante a construção do parque eólico do município de Osório visitei com o então governador Germano Rigotto o lugar. Se à distância

Confira os vencedores do Emmy 2020

O Emmy Awards, a maior festa da TV americana, foi o primeiro grande evento da temporada de premiações a acontecer durante a pandemia do coronavírus. Entre os vencedores