Nova semana de discussão sobre a intervenção na Santa Casa termina com a confirmação de Ico: “a população pode ficar tranquila”

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Prefeito garantiu que até o dia 20 de setembro estará garantida a intervenção no Hospital

A semana foi de repercussão com relação ao anúncio do Secretário de Saúde de que o fim da intervenção na Santa Casa de Misericórdia de Sant’Ana do Livramento aconteceria em até 60 dias. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde (SindiSaúde) no município, Silvio Madruga, disse que agora não é a hora da Prefeitura sair da gestão do hospital.

Madruga destacou que a administração da instituição, junto ao corpo clínico, teria entrado na Justiça para retirar a intervenção. “Foi feito a portas fechadas. Existe um Conselho Gestor na Santa Casa, no qual o SindiSaúde está, e nenhum momento foi convocado o Conselho para discutir esse tema. A decisão foi unilateral. Estamos em uma intervenção há cinco anos, não teve grandes avanços no Hospital, mas, dos males, o menor: o hospital continua aberto e estamos recebendo o salário. Atrasado, mas recebendo”, destacou.

No Jornal A Plateia da semana passada, o secretário Eder Fialho, atual responsável pelo Conselho Gestor defendeu a retirada da intervenção e destacou que era um dos objetivos do prefeito Ico Charopen (PDT); mas que não seria agora o momento para devolver a responsabilidade aos associados da Santa Casa. “Não será semana que vem nem daqui a dez dias”, declarou Eder na semana passada destacando que a transição poderia acontecer em até 60 dias.

O sindicato dos trabalhadores de saúde do município tem clara a posição de que o Hospital não consegue se sustentar e defende o ponto de vista: “Qual empresa que tem um passivo de R$ 200 mil por mês e caminha com as próprias pernas? Essa empresa, a Santa Casa, ainda caminha porque quem está pagando são os trabalhadores, que têm valores de FGTS descontados da sua folha mês a mês, ano a ano e não é depositado”, complementou Silvio Madruga destacando que a solução do hospital é uma injeção de 200 a 300 mil reais por mês.

Durante toda a semana, o tema foi amplamente debatido. Inclusive e, principalmente no meio político. A Mesa da Câmara Municipal publicou uma nota de esclarecimento nas redes sociais do Legislativo destacando sua contrariedade com o fim da intervenção do Executivo na instituição. Os vereadores Romário Paz (MDB), presidente; Evandro Gutebier (Republicanos), vice-presidente; Antônio Zenoir (Republicanos), primeiro secretário; e Márcia da Rosa (PP), segunda secretária entendem que o fim da ação causará grandes prejuízos à instituição, podendo resultar em cortes de recursos, danos à população e também interferir diretamente na compra de insumos, equipamentos e medicamentos.

Nas redes sociais, alguns políticos e pré-candidatos ao Executivo nessas eleições debateram o tema em lives. O prefeito Ico Charopen comentou sobre esse tema ao ser questionado na entrevista coletiva desta semana. “Eu não quero e nem gostaria de ver a Santa Casa sendo usada como palanque eleitoral”, afirmou. Segundo o pedetista, a intervenção deve ser mantida pelo menos até o dia 20 de setembro. Ico disse ainda que não vai fazer nada de forma irresponsável. “A população pode ficar tranquila, nós estamos trabalhando juntos, estamos unidos em prol da vida, em prol das pessoas”.

Rodrigo Evaldt | rodrigo@jornalaplateia.com

Estado divulga dados sobre Safra da Uva

Nota de esclarecimento (10/07/2020):  os técnicos da Secretaria estão checando todos os dados da safra, porque eles podem sofrer algumas alterações em função dos novos números