Panorama Agropecuario – Matias Moura -21/03/2020

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Sant’Ana do Livramento, atualmente, é considerada, por lei, a Capital Nacional da Ovinocultura, e embora o título seja muito importante para o município, a grande preocupação de produtores e dirigentes dessa cadeia produtiva é com a diminuição dos rebanhos, anos após ano com o desestímulo dos produtores que estão apostando em outras culturas. Para se ter uma ideia, o município já teve em seus campos a marca impressionante de mais de 1 milhão e 200 mil ovinos, hoje, são aproximadamente 314 mil cabeças no município segundo informações repassadas pela Associação.
Com a proposta de valorizar essa cadeia produtiva, e retomar o seu crescimento, é que a Associação Santanense de Ovinocultores está trabalhando em um projeto bastante audacioso que tem o apoio da Prefeitura Municipal, Sindicato Rural, Universidades e entidades afins. Trata-se da criação de um Centro de Desenvolvimento em Ovinocultura.
O local escolhido para abrigar tal projeto é a área do Quarentenário na região do Cerro Chato, que possui uma grande estrutura como mangueiras, bretes, galpões, prédios e grandes potreiros em uma área de 10 hectares. O local que está desativado há cerca de 4 anos, pertence ao município, mas, foi cedido em comodato para o Ministério da Agricultura do Brasil que utilizava a estrutura para controle sanitário dos animais que fossem importantes para o país. Com a desativação do Quarentenário, a área retornou ao município, sendo esse o maior interesse da Associação de Ovinocultores que pretende, entre outras coisas, criar um polo de produção de leite de ovelha, oferecer cursos gratuitos de capacitação de mão de obra para ovinocultura, pesquisas de extensão para fins acadêmicos etc…
Nesta semana, a reportagem do Jornal A Plateia esteve visitando o local juntamente com o engenheiro agrônomo Alex Fabiano Gomes, da Secretaria Municipal de Agricultura, do secretário de agricultura Pedro Nunes e do presidente da Associação Santanense de Ovinocultores, Dr. Jair Menezes. Segundo Alex, a Prefeitura tem interesse em desenvolver um projeto educacional naquela área o que vem ao encontro da proposta da associação. “A ideia é criar um centro de inovação em ovinocultura alicerçado em parcerias institucionais voltadas ao desenvolvimento da ovinocultura no território de fronteira, unindo, inclusive, forças com a Intendência de Rivera. Nós temos, também, o projeto Rota do Cordeiro que trabalha um território um pouco maior, mas, também pode se somar com a gente. Existem diversas negociações que já estão acontecendo, inclusive com o INCRA, por intermédio do superintendente Tarso Teixeira que esteve aqui no município, nesta semana, e também veio conhecer essas instalações. Nós também estamos em tratativa com o próprio Ministério da Agricultura para ver a possibilidade de financiar este projeto” destacou.
O principal objetivo do centro será a capacitação de produtores, em parceria com a Secretaria Municipal da Agricultura, EMATER, SENAR, SEBRAE, entre outros. “Buscar essas parcerias é muito importante para a associação para tornar essa estrutura um polo de capacitação ofertando vários cursos num formato mais diferenciado para a nossa região. Cursos que vão desde inseminação de ovinos até o manejo forrageiro para ovinos. Além, é claro, da nossa integração e interação com as nossas universidades locais onde nós já temos uma parceria bem forte e consolidada com a UNIPAMPA no curso de Zootecnia em Dom Pedrito através da professora Gládis Correa e com a UERGS por meio do Dr. Leonardo Menezes. Então, nós queremos disponibilizar e abrir este espaço para que os estagiários possam realizar experimentos, pesquisas e trabalhos de conclusão de curso” comenta.
O grande diferencial da área é que facilita a implantação do projeto do Centro de Inovação com baixo recurso de investimento, segundo Alex, pois o local já possui uma ótima estrutura como uma central de manejo de ovinos com mangueiras apropriadas, mangueiras em boas condições, e um grande galpão com infraestrutura para acolher o tambo ovino. “Essa estrutura já construída, está em boas condições e precisa de poucas melhorias. O galpão, por exemplo, serve muito bem para um dos nossos projetos que é um centro de produção de leite ovino. Pretendemos fazer uma unidade demonstrativa de tambo ovino e quem sabe até num futuro partir para um outro sistema que possa envolver um cooperativa junto aos produtores. Temos espaço para experimentos de terminação de cordeiro, também para o desenvolvimento de um canil para formação de cães de pastoreio para pequenos produtores.