Escola Sílvio Ribeiro e EMEI Carrossel são arrombadas e materiais são subtraídos

Autores estavam em busca de dinheiro e até um berço do setor maternal foi levado

No último fim de semana, a Escola Estadual Sílvio Ribeiro – CAIC e a Escola Municipal de Ensino Infantil Carrossel receberam a visita do “alheio”. Dezenas de materiais foram levados das duas instituições. Televisores, impressoras, panelas e um berço foi levado pelos criminosos.

Escola Sílvio Ribeiro

A vice-diretora do turno da tarde, Cibele Shervensquy, recebeu uma ligação, ainda no fim de semana, informando o que havia acontecido: “Nossa escola tem o projeto Escola Aberta, onde a escola oferece oficinas como a de informática e disponibilizamos o ginásio para a prática de esportes. Quando o funcionário responsável por abrir a escola para este programa chegou, a escola inteira estava revirada e a janela que fica na sala da direção estava aberta, nesse momento me chamaram e quando chegamos constatamos que se tratava de um arrombamento. A sala estava toda mexida, os armários revirados e faltando televisores, cafeteira e outro materiais, isso na madrugada de sábado para domingo”, conta.
Cibele ainda comenta que a escola recebeu esta visita indesejada duas vezes: “Realizamos o boletim de ocorrências sobre este fato e no domingo foi arrombada mais uma vez, em outra janela, e nesse momento fizeram uma verdadeira limpa de materiais, computadores, netbooks foram subtraídos. Realizamos mais uma vez o boletim de ocorrências, a polícia já está investigando o caso”, completa.

Escola Municipal de Ensino Infantil Carrossel

Quase em anexo, a EMEI Carrossel também foi visitada pelos vândalos e foram subtraídas mais de 60 lâmpadas, além de panelas, caixas de som, materiais de limpeza e até mesmo um berço foram levados.
A diretora Miriam Della Pace relatou como recebeu a notícia de que a escolinha havia sido furtada: “Eu recebi a notícia através dos colegas do Sílvio Ribeiro e vim imediatamente ver se a EMEI também tinha sofrido este ataque, quando cheguei me deparei com uma triste cena. Eu não acreditava, acionei a Brigada Militar por achar que talvez ainda estivesse alguém na escola, todos os materiais e documentos da secretaria estavam no chão, como se estivessem procurando por dinheiro, foi levado impressoras, microondas, todas as panelas, talheres, pratos, copos, a nossa cozinha foi depenada. Ficamos sem nada. O ar-condicionado, no berçário, ficou pendurado na parede, portas arrombadas, uma porta destruída, televisores, rádios, cobertores, colchões e 65 lâmpadas e agora necessitamos da ajuda. Não sabemos se conseguiremos iniciar o ano letivo pois não temos materiais básicos para a atividade escolar”, conta.
Neste crime, quem perde é a população, pois em um momento onde a educação está “respirando com ajuda de aparelhos” a subtração de materiais básicos afetará a qualidade de ensino no local.
A polícia trabalha na tentativa de elucidar o caso e os suspeitos do crime estão sendo apurados.

João Victor Montoli
joaovictor@jornalaplateia.com

Grupo Aplateia

Adicionar Comentário