Principais ruas de Sant’Ana do Livramento sofrem com sinalização inadequada

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Reportagem do Jornal A Plateia flagrou placas caídas e encobertas pela vegetação

Sant’Ana do Livramento figura como um dos municípios com a maior área territorial do Estado do Rio Grande do Sul. Com cerca de 7 mil quilômetros quadrados, a cidade está localizada na região da Campanha Gaúcha, próxima à fronteira com o Uruguai.
De acordo com o último senso, realizado em 2010 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população santanense era de 82 mil e 464 pessoas. Mas, como os dados foram coletados há cerca de uma década, o Instituto divulgou em 2019 um estudo que estimava a população de Livramento em 77 mil e 27 pessoas.
Além da população, outro dado que merece destaque é o número de veículos que circulam por aqui. A Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade Urbana (SMTTU), afirma que a frota santanense esteja em 67 mil veículos, o que resulta em 0,87 por pessoa.
Somado a isso, também deve-se observar o grande número de turistas que circulam pela cidade entre os meses de dezembro e fevereiro, por conta das férias de verão. Pela proximidade geográfica com alguns países do Cone Sul da América Latina, principalmente uruguaios e argentinos têm Sant’Ana do Livramento como porta de entrada para o litoral brasileiro.
Por falar em Brasil, os turistas tupiniquins também procuram Livramento pela facilidade de comprar nos Free Shops uruguaios. O que também confere um incremento na frota de veículos que circulam pelas ruas da cidade.
Vale destacar que, de acordo com os dados repassados pelo setor de Imigração do Governo Uruguaio, só no período entre os dias 1° e 28 de janeiro deste ano, deram entrada no Brasil 27 mil e 200 argentinos e 10 mil e 600 uruguaios.
Desta forma, já se pode ter uma ideia de como é o trânsito na cidade. Além de uma frota que só aumenta e ruas que não foram projetadas para o grande fluxo, ainda surge um novo problema: a sinalização de trânsito.
Durante esta semana, a Reportagem do Jornal A Plateia circulou pelas principais ruas de Livramento e flagrou a condição de algumas placas de sinalização. Em uma rápida passagem pelas ruas Uruguai, Conde de Porto Alegre, Venâncio Aires, General Neto e também pela avenida João Belchior Goulart, foi possível verificar diversas placas encobertas pela vegetação ou depredadas, o que põe em risco a segurança de quem trafega por essas vias.

O que diz a secretaria de Trânsito

O titular da pasta, Jansen Nogueira, disse já estar ciente do problema da vegetação e que em breve a manutenção deve ter início. “ (Sobre) essa vegetação a gente já conversou com o secretário Jair (Pires), que é de Obras e Serviços Urbanos (pasta extinta, atual Secretaria de Desenvolvimento Urbano), pra (sic) que nos ajude nessa demanda pra (sic) podermos dar condições para que as pessoas enxerguem essas placas”.
Nogueira explica que a SMTTU tem ciência de que algumas situações pontuais na cidade estão necessitando uma maior atenção, mas, devido ao pouco tempo hábil e a falta de recursos, o processo leva um pouco mais de tempo. “Estamos colocando em ordem todos esses pedidos. Tem demanda ainda de agosto do ano passado, vamos tentar atender o mais rápido possível”, pontua.

Ruas Senador Salgado Filho e 13 de Maio devem mudar de sentido em fevereiro

A medida, segundo o Secretário de Trânsito, visa melhorar o fluxo nos locais

Trânsito, Transportes e Mobilidade Urbana (SMTTU), Jansen Nogueira, disse à Reportagem do Jornal A Plateia que as ruas Senador Salgado Filho e 13 de Maio tornar-se-ão vias de mão única já nos primeiros dias de fevereiro.
A previsão apresentada por Nogueira é de que até o dia 10 do próximo mês, a mudança já esteja concretizada. Entretanto, o secretário alerta que podem ocorrer alguns atrasos. “Nós temos várias demandas […], como a gente assumiu agora há pouco e o orçamento só liberou no dia 15 de janeiro, ainda não chegou o material que a gente comprou (para a sinalização do local)’’.
As faixas, que têm início na Avenida Almirante Tamandaré, possuem cerca de 1,5 km de extensão e cumprem papel fundamental na mobilidade urbana na cidade. Ainda de acordo com Nogueira, a medida foi adotada visando entregar uma maior fluidez ao tráfego de veículos nos trechos compreendidos por ambas as ruas.