“Eu não vou deixar de lutar até ver o assassino de meu irmão preso”

Familiares pedem justiça para Gabriel que foi morto na madrugada de domingo na Vila Emília

Livramento registrou, na última semana, o primeiro homicídio de 2020. A vítima era Gabriel da Silva Azevedo, de 22 anos, que foi morto com dois tiros que atingiram seu rosto e ombro. Gabriel foi chamado pelo seu algoz na frente de sua residência. Ele deixou um bebê de cinco meses e sua namorada grávida de sete meses. Segundo informações, o principal suspeito da autoria do crime se trata de um amigo de Gabriel, quando uma discussão com motivação amorosa teria sido o estopim da morte do jovem.
Em conversa exclusiva com a família de Gabriel, sua irmã Ariane Azevedo conta quem era o Gabriel, que teve sua vida interrompida por este crime passional: “O Gabriel era iluminado. Ele era muito alegre e brincalhão, trabalhador, apesar de todos os problemas, perda da nossa mãe há dois anos, ele nunca perdeu sua alegria. Sempre que nos víamos recebíamos um “eu te amo” e um “se cuidem”, relata Ariane emocionada.

Ariane contou que o principal suspeito de ter cometido o crime era um amigo muito próximo de Gabriel e que a causa da desavença foi um possível envolvimento amoroso entre os dois com a mesma mulher. Ela conta que Gabriel se envolveu com essa mulher, que era namorada do suspeito, e que em um certo momento Gabriel decidiu colocar um ponto final nessa relação. Momento esse em que esta mulher, segundo Ariane, começou a fazer intrigas entre os dois, quando então começaram as desavenças entre os dois, até então, amigos.

“Na madrugada de domingo, o suspeito foi até a casa da minha falecida mãe, na vila Emília, onde Gabriel morava sozinho e o chamou para conversar, os dois entraram em luta corporal e minha avó escutou dois estampidos fortes, foram os dois tiros que acertaram Gabriel, um na cabeça e o segundo de raspão no braço”, Ariane comenta.

Os familiares de Gabriel relatam que ele e o suspeito foram em festas de fim de ano juntos e que eram bem próximos. A família aposta que a causa principal foi a intriga da mulher do suspeito. “Ele foi com a intenção de matar meu irmão. Enquanto eu viver, eu vou lutar para que eu veja o assassino de meu irmão preso”.

Contatada pela reportagem, a namorada de Gabriel informou estar muito abalada para se manifestar e que está passando por um momento extremamente difícil.
O principal suspeito do assassinato de Gabriel se apresentou na tarde desta quinta-feira à Polícia Civil com sua advogada que notificou que o mesmo está recebendo ameaças.
A delegada responsável pelo caso, Ana Tarouco, informou que o suspeito apenas fez uso do seu direito em permanecer em silêncio durante seu esclarecimento.

A defesa do principal suspeito se manifestou após contato com a advogada Natalia Kirkoff: “Eu estava tentando buscar informações e me habilitar sobre este caso desde a segunda-feira (20), após uma ligação foi permitido apresentar meu cliente na quinta (23). Descartando o fato de que o acusado estava se eximindo de sua apresentação. O acusado e sua família estão sendo ameaçados, inclusive na última terça-feira foi ateado fogo em sua residência. Por conta deste transtorno estamos tentando preservar a sua vida. A princípio são essas as informações e estamos aguardando o trabalho de investigação da polícia”, conta.

João Victor Montoli | Joao@jornalaplateia.com

Grupo Aplateia