Vem aí o censo 2020

O período de visitas será entre agosto a outubro, não caia em golpes

O censo 2020 está se aproximando. Realizar uma operação de tamanha importância para a sociedade, com eficiência, é uma tarefa que exige um planejamento longo e sólido, diversas etapas fundamentais são necessárias para garantir uma produção de informações relevantes e confiáveis. Para o IBGE, o Censo Demográfico já começou.
O objetivo dos esforços dos servidores do IBGE é alcançar a maior rede de colaboração possível visando garantir mais uma operação censitária com ótimas cobertura, mensuração e qualidade, em todas as dimensões, territoriais e técnicas.

A coleta de dados será realizada entre agosto e outubro de 2020. Serão visitados todos os domicílios do país e qualquer morador capaz de fornecer as respostas às perguntas do questionário pode responder ao recenseador por todos os demais moradores daquele domicílio.

Os recenseadores estarão identificados com colete, boné, crachá e computador de mão, irão coletar as informações através de entrevista direta com perguntas listadas sob a forma de questionário a ser preenchido no computador de mão. Também será possível responder o questionário via internet.

Como em Censos anteriores, serão utilizados dois questionários: o da amostra, a ser aplicado em uma fração dos domicílios ocupados, e o questionário simplificado nos restantes. Neste ano, o trabalho vai mobilizar 180 mil recenseadores, 25 mil supervisores e outros 10 mil agentes. A estimativa é que o Brasil tenha cerca de 212 milhões de habitantes residindo em 71 milhões de domicílios.
Os resultados serão divulgados entre os anos de 2020 e 2023 em diferentes mídias, múltiplos formatos e em diversos recortes espaciais, buscando atender as demandas dos variados segmentos do público.
Alerta para falsos recenseadores

O IBGE alerta a população sobre a ação de falsos recenseadores. Usando como argumento o Censo 2020, golpistas abordaram moradores, ao contrário dos funcionários credenciados pelo IBGE, os falsos recenseadores pedem os números de documentos pessoais, como carteira de identidade e cadastro de pessoa física (CPF), além de dados bancários dos entrevistados. Os golpistas chegaram a fazer fotos de fachadas nas casas visitadas. “Isto é totalmente irregular. Se ocorrer, a família deve chamar a polícia porque é golpe”, aconselha Souza.
O recenseador solicita apenas que o cidadão responda as 36 questões do questionário básico e outras 108 do questionário de amostra, sem dar o número de identidade ou CPF e, muito menos, a conta do banco, alerta o IBGE.

João Victor Montoli | Joao@jornalaplateia.com

Grupo Aplateia