Piracema – Pelotão Ambiental e ICMBIO apreendem material de pesca na Apa do Ibirapuitã

Período de reprodução dos peixes que iniciou em outubro encerra no dia 31 de janeiro. Saiba o que é proibido para os pescadores nesta época do ano.

A piracema é um período reprodutivo muito importante para diversas espécies de peixes, incluindo aquelas ameaçadas de extinção, como o dourado. Conforme lei, a pesca fica proibida entre 01/10 a 31 de janeiro de 2020. Nesse período, fica proibido a pesca profissional e amadora, inclusive o pesque e solte com uso de varas e molinetes, sendo liberado apenas a pesca com linha de mão com o limite de 5 kg de pescado por pessoa, e a pesca de caráter científico, prévia e devidamente autorizada pelo IBAMA.

Por essa, razão a reportagem do Jornal A Plateia foi até ao 2º Grupo de Polícia Ambiental que abrange os município de Livramento e Rosário do Sul, para conversar com o sargento Jeferson Barbosa de Oliveira sobre os números da operação nesses primeiros meses. Há pouco mais de três meses no comando a unidade, o sargento destaca que de uma maneira em geral o período tem sido de tranquilidade mas que operações rotineiras são realizadas nos arroios, córregos e rios da região, como Ibicuí, Ibirapuitã e Santa Maria. “Neste período, nós temos bastante material de pesca apreendido tanto em Livramento quanto Rosário. Incluindo redes de pesca, motores de embarcações e outros objetos. Mas, a grande maioria das apreensões são as redes. Alguns pescadores acabam colocando esse material de forma totalmente irresponsável, de uma margem a outra e acabam pegando muito pescado, incluindo os peixes que estão em fase de desova e isso prejudica muito a procriação das espécies. Por isso, é importante que as pessoas se sensibilizem a este fato, porque se nós protegermos agora, daqui 4 ou 5 meses teremos muitos mais peixes para pescar”, alerta o sargento.

Outra questão repassada pelo sargento Jeferson é sobre a utilização de embarcações a motor, que fica também proibido na época da piracema, sendo permitido a utilização de barco movido a remo. “Nós temos, inclusive, motores grandes apreendidos já nesta operação. Então, muita atenção, não pode fazer a pesca utilizando embarcação motorizada pois ela também coloca em risco a vida dos peixes” comenta.

O sargento disse ainda que a maioria das operações que acontecem durante este período são provenientes de denúncia além de atuações em conjunto com outros órgãos. “É claro que existem aqueles casos que o camarada pega a sua família e vai para algum lugar desse, ali ele pesca com linha de mão e em pequena quantidade e não tem problema nenhum. Então, é bom evitar problemas fazendo tudo certinho como tem que ser. Mas, além disso, nós temos a nossa fiscalização rotineira, a gente está todos os dia nas ruas. Trabalhando tanto na parte rural quanto em intervenções urbanas. Nós atuamos muito com denúncia, assim que a informação chega nós checamos e em seguida, em pouco tempo, as nossas equipes são deslocadas para esses locais. Então, a participação da comunidade é muito importante”.

Apreensão de material na APA do Ibirapuitã

Uma denúncia anônima resultou na apreensão de material de pesca pelo Grupo de Polícia Ambiental de Sant’Ana do Livramento, na madrugada do dia 3 de janeiro, dentro da Apa do Ibirapuitã. Por meio de uma ação de fiscalização em parceria com o ICMBIO (Instituto Chico Mendes de Biodiversidade) foi interrompida uma atividade de pesca predatória com uso de redes.

Na ação, as equipes retiraram quase 70 metros de redes de pesca, colocadas de margem a margem no rio Ibirapuitã, danificando as espécies aquáticas e sua reprodução natural. Conforme Raul Coelho, chefe da Área de Proteção Ambiental do Ibirapuitã, os pescadores envolvidos responderão por crime ambiental e a sanções administrativas, como multas e perda de petrechos de pesca. “O uso de redes prejudica o desenvolvimento dos peixes, captura em todos os tamanhos, prejudicando aquela pesca amadora (que utiliza caniços e anzol) que é permitida e aproxima o ser humano com ambiente natural”.

Já para sargento Jeferson Barbosa, da Brigada Militar, a apreensão se deu graças ao esforço da comunidade junto com os órgãos competentes. “Nós recebemos o chamado do ICMBIO e nos deslocamos para lá como apoio para averiguação. Chegando lá foi constatado que existia no local um cidadão junto com a família, durante a abordagem o rapaz foi bem tranquilo e disse que tinha 3 redes na água e que ele estava pescando. Então é o caso que comentei, se ele estivesse pescando com linha de mão nada disse teria acontecido, agora ele vai responder por esse material que foi apreendido, além de uma motosserra que foi recolhida pelo ICMBIO por aquela área ser de proteção ambiental” encerrou o sargento. O telefone direto da Policia Ambiental é (55) 3243 -4736.

A equipe retirou mais de 70 metros de rede de pesca das águas do rio Ibirabuitã (Foto: Cedida)

Matias Moura | contatomatiasmoura@hotmail.com

Grupo Aplateia