Manifestantes vão às ruas em protesto ao pacote do governador Eduardo Leite

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Pela manhã, professores se acorrentaram ao portão da Coordenadoria de Educação e à tarde se uniram aos policiais e pararam o centro da cidade

Protestos de alunos e professores da rede estadual de ensino contra o pacote de medidas do governador Eduardo Leite bloqueiam o acesso a Coordenadorias Regionais de Educação (CRE) em diversas cidades gaúchas, nesta sexta-feira (22). Em Sant’Ana do Livramento não foi diferente. Pela manhã, professores se acorrentaram ao portão da 19ª Coordenadoria Regional de Educação, impedindo o acesso ao prédio.
Além do pacote, os professores protestaram contra o fim do terceiro turno noturno de algumas escolas que, embora não seja confirmado pelo Estado, é forte nos bastidores. “Como não temos garantia de que os alunos terão este turno nos acorrentamos e impedimos a entrada dos funcionários aqui na coordenadoria de educação”, afirmou a diretora-geral do 23º Núcleo o Cpers/Sindicato, Adriana de Leon.

Os reflexos da greve já é sentido em todas as escolas de forma parcial. Uma delas é a Escola Silvio Ribeiro, Caic. Na instituição, 90% dos professores aderiram as paralisações. “Temos duas funcionárias de serviços gerais, uma vice-diretora, uma pessoa responsável pela sala de aprendizagem especial e apenas duas professoras estão dando aulas. Isso equivale a apenas 10% do quadro de funcionários da escola. As professoras que estão em atividade são contratadas e estão até mesmo com medo de uma possível demissão após o término da greve. Existe uma liminar em que assegura o direito de greve destes funcionários, mas, respeitamos a decisão dos colegas que ainda não aderiram à greve. Seria fundamental a paralisação de todos para mostrar que a classe está unida”, conta o diretor João Santos.

Na manifestação dessa sexta, aderiram também os policiais civis. A 2º vice-presidente da Urgeirm, no Rio Grande do Sul, Neiva Carla Back Leite, afirmou que Livramento teve uma das maiores manifestações realizadas no interior do Estado. “Creditamos isso porque o pacote de atrocidades que o governador propõe afetará todos os servidores públicos, não somente professores e policiais, mas, sim, toda a classe que trabalha no serviço público estadual. Quando se ataca o servidor público acaba atacando também a população gaúcha que precisa destes servidores. Essa mudança afeta a nossa classe policial, mas acaba completamente com a classe dos professores estaduais”, destacou Neiva.
Segundo a organização, mais de 1.000 pessoas, entre servidores públicos de várias categorias e alunos, participaram da mobilização que começou na praça General Osório e encerrou na esquina democrática com discursos e palavras de ordem.

foto: Marcelo Pinto/AP
Foto: Fabian Ribeiro
foto: Marcelo Pinto/AP
Foto: Fabian Ribeiro
foto: Marcelo Pinto/AP
Foto: Fabian Ribeiro