Comandante do CRPO-FO é promovido ao mais alto posto da Brigada Militar

Pedro Ricardo Maron Burgel, que até então era Tenente Coronel, foi promovido a Coronel, posto máximo na Instituição.

No dia 9 de agosto, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, publicou no Diário Oficial do Estado as promoções da Brigada Militar e da Polícia Civil. Com a publicação, vários policiais de ambas as corporações subiram de posto, como é o caso do comandante do CRPO FO Pedro Ricardo Maron Burgel, que até então era Tenente Coronel, e foi promovido a Coronel, posto máximo na Instituição.
Coronel Burgel recebeu a honraria das mãos do Chefe do Estado Maior da BM, Cel Marcius Vinicus Sousa Dutra que esteve no município para a formatura da turma de novos soldados da corporação. O Jornal A Plateia conversou com o Coronel Burgel que disse estar muito honrado ao assumir o cargo máximo dentro da Brigada Militar. Confira a entrevista.
Jornal A Plateia – O que o levou a escolher carreira militar e a quantos anos o senhor tem nesta profissão?
Coronel Burgel – Em 1982 eu estava concluindo o segundo grau e deveria me alistar para o serviço obrigatório. Com a conclusão do 2º grau me inscrevi para realizar as provas para o CPOR/POA, conseguindo inclui-lo nesta OPM no Exército. Recordo-me como se fosse hoje, quando o então Capitão de Artilharia Rossi Machado, hoje Coronel da Reserva do Exército, respondendo um questionamento com relação a AMAN, me falou sobre a Brigada Militar. Naquela época estava me interessando em seguir a carreira militar, o que veio a se concretizar em 17 de fevereiro de 1986, ao ingressar nas fileiras da Brigada Militar, como Aluno Oficial. Claro que muitas passagens me ocorrem neste momento, com riquezas de detalhes que me emocionam, e lá se vão 33 anos, seis meses e um dia, quando às 07h15min do dia 09 de agosto de 2019, vejo no Diário Oficial do Estado, na página 13, publicado a minha promoção ao maior posto de minha Instituição, está que completará 182 anos em 18 de novembro próximo, BRIGADA MILITAR.

Jornal A Plateia – cite algumas passagens marcantes da sua carreira militar?
Coronel Burgel – Iniciamos nossa carreira Operacional nas fileiras do 11º Batalhão de Polícia Militar, lá se construiu e se solidificou o nosso comprometimento com a Brigada Militar, muita dedicação e relações sólidas se desenvolveram e o êxito sempre presente a cada função. Mas se for relatar parte de fatos marcantes na carreira, lá se vão horas de escrita. Mas a cada promoção, a cada posto alcançado, o sentimento de dever cumprido era e é muito gratificante. Relatarei dois fatos que marcaram. Os dois que demonstram o risco de vida que demanda o exercício da função Policial Militar: o primeiro, em um domingo de Oficial de Serviço do 16º BPM, em Cruz Alta, após ser demandado em uma ocorrência num campo de futebol, concomitantemente a sala de operação aciona este Oficial para uma ocorrência onde dois Policiais Militar se envolveram e foram baleados; lamentavelmente um veio a óbito; a dor só manifestou-se após o cumprimento de nossa missão, ou seja, andamos quilômetros, fomos a Panambi; depois a Santa Bárbara do Sul na área rural; lá encontramos o veículo Escort do assassino, ele conseguiu escapar e dias depois se entregou para as autoridades policiais; com certeza a família sofreu muito; na época ocupava o posto de 1º Tenente, nunca mais esqueci aquela ocorrência.
A segunda ocorrência que me marcou foi em 20 de fevereiro de 2000, naquela época ocupava o posto de Capitão, Comandante dos Bombeiros de Esteio, exercendo minhas atividades no Corpo de Bombeiros, e nesse período estava na minha quinta Operação Golfinho seguida, em Cidreira. Naquele dia, por volta das 10 horas estava acompanhado do Sgt Ávila, fiscal de praia, o qual tinha sua origem no 15º BPM, Canoas. Estava com o Sargento fiscalizando as guaritas, quando próximo do terminal turístico avistamos entorno de cinco jovens em risco de afogamento e uma menina, que depois descobrimos ter 14 anos, mais afastada para dentro no mar; de imediato entramos no mar, o Sgt Ávila foi em direção à menina, eu me certifiquei de que fossem chamados mais salva-vidas e entrei para auxiliar, ficamos na arrebentação por um bom tempo, acredito que por uns quinze minutos até a chegada da primeira dupla. Para compreender a dificuldade: após esta ocorrência o Sgt Ávila permaneceu dez dias de cama, sete deles sem se levantar. A menina teve duas paradas respiratórias, mas, o final deste fato é que uma vida foi salva, e isso não tem valor, nada é maior do que este sentimento, muito mais de gratidão por contar naquele momento com a força e apoio do Grande Arquiteto. Para concluir, a imagem que tenho de inúmeros rostos de crianças de suas felicidades de estarem participando do Bombeiro Mirim, nos encontros Regionais anuais, era muito gratificante ver esta felicidade que nos iluminavam.

Jornal A Plateia – qual a importância desta promoção na sua carreira militar?
Coronel Burgel – É o último posto na carreira Policial Militar. É muito significativo. Todo o Oficial do Quadro de Oficial de Estado Maior da Brigada Militar almeja, ao entrar na carreira, chegar neste momento. Sabemos que a caminhada é árdua, que os desafios na profissão são enormes, pois tomadas de decisões são diárias, as responsabilidades envolvem risco à vida de Policiais Militares e Cidadãos, ou seja, é de toda ordem. A Instituição tem um valoroso conceito, e isso é pelos seus princípios, valores éticos e morais que demonstrm o quanto é árdua a nossa caminhada até o último posto de Coronel QOEM.

Jornal A Plateia – o que muda com a promoção para coronel da BM?
Coronel Burgel – Aumenta a responsabilidade, e devemos estar preparados para as novas funções. E estar preparado é uma OBRIGAÇÃO. A construção da formação Policial Militar ocorre durante o tempo, onde vamos evoluindo profissionalmente, e o crescimento funcional é uma consequência do esforço, da vontade e do conhecimento adquirido neste tempo. Portanto, alcançamos o objetivo que cada Oficial QOEM se propõe ao entrar na carreira policial Militar, e alcançar, o que muda é a responsabilidade, ela aumenta significativamente. E estamos preparados para tal.

Jornal A Plateia – quais os desafios de hoje para a BM?
Coronel Burgel – A Brigada Militar tem desafios diariamente, a evolução humana é uma realidade e a velocidade com que isso está ocorrendo nos últimos 20 anos é alta. O setor privado opera de uma forma mais rápida, no setor público há regramento que reduzem esta velocidade. Não contestamos esta necessidade, que é ética e consequentemente moral. Mas estamos buscando evoluir ao mesmo tempo, para tanto são necessárias ações com relação a planejamento, com maior antecipação, de novas portas para se abrirem, com a participação de mais atores neste seguimento, visando maior comprometimento da sociedade e de órgãos de todos os poderes, visando uma segurança pública mais eficientes e resultados positivos. Inúmeros são os exemplos de participação de diversos seguimentos em prol da melhoria dos Recursos Humanos e Materiais na área da Segurança Pública. A Brigada Militar vem investindo muito forte na área de Tecnologia da Informações, agilizando seus processos administrativo e assim priorizando a área operacional. Acredito que o desafio maior hoje é consolidar políticas estratégicas públicas, que gerem ações, visando minimizar a defasagem de efetivo, e cada vez mais qualificar e equipar com TI seus RH, sempre com foco no Cidadão.

Grupo Aplateia