Google muda algoritmo para que ‘lésbica’ não seja mais sinônimo de ‘pornô’

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Buscar vídeos pornôs agora pode ficar um tanto mais difícil – pelo menos, usando a palavra “lésbica”: em vez de sugerir páginas pornográficas, o Google mudou seu algoritmo para que, ao se inserir o termo na barra de busca, os resultados direcionem o usuário para a Wikipedia, notícias ou páginas informativas, mesmo que a busca segura não esteja ativada.

Até 19 de junho (dia em que ocorreu a mudança), era o bastante digitar “lésbica” no Google para receber de volta pornografia e conteúdos sexualizados; no Google Imagens, o quadro era pior: uma parede de imagens pornográficas (a busca pelos termos “homossexual” e “trans” remetia a páginas com informações).

A constatação sobre a ligação entre “lésbica” e pornografia veio à tona depois o site de notícías Numerama publicou uma matéria sobre os resultados pornográficos que apareciam sob o banner Pride, criado pelo Google especialmente para relembrar os 50 anos dos tumultos de Stonewall, ocorridos em junho.

Ao ser acusado de favorecer a sexualização das lésbicas, o Google, através do vice-presidente de Qualidade de Motores de Busca, Pandu Nayak, reconheceu que “esses resultados são terríveis. Estamos cientes de que existem problemas como este em muitas línguas e desenvolvemos algoritmos para melhorar essa pesquisa.”

Tomamos medidas para que, quando uma palavra é interpretada de maneira não pornográfica, é essa que apresentada nos resultados de busca

Segundo Nayak, “tomamos medidas para que, quando uma palavra é interpretada de maneira não pornográfica, é essa que apresentada nos resultados de busca”, acrescentando que tais mudanças estruturais “levam tempo”.

Ele ainda lembrou que o mesmo problema já aconteceu com as palavras girl teen (menina e adolescente, em inglês), que também remetiam a sites pornográficos antes que alterações no algoritmo fossem feitas.

A mudança na busca do Google veio depois de uma onda de protestos, em especial na França, onde a conta no Twitter do grupo SEOlesbienne  e a repórter do Numerama Marie Turcan apontaram a bizarrice e lideraram a campanha pela alteração do algoritmo. O SEOlesbienne é conhecido como um dos mais ferrenhos defensores da comunidade LGTB +, principalmente dentro do segmento de tecnologia.

Fonte TecMundo

Quebrando paradigmas – Eis a questão!

Sempre fui meio “fora da casinha”. Para os conservadores, uma disfuncionada precisando de ajuda psicológica; para outros, adiante do meu tempo. A história está aí