Um talento que vem de berço

Vitória Josende, de apenas 17 anos, vem se destacando em festivais nativistas em nível regional e estadual

O titulo não é em vão, Vitória herdou o talento de sua família, aos três anos de idade seu pai conta que ela já cantava, na maioria das vezes a música “El cosechero”, canção de Mercedes Sosa.

Vitóriacresceu sempre admirando os ensaios de músicas tocadas pelo seu pai e seu irmão Marcos Vigil. Aos 13 anos, ela iniciou as aulas de violão: “Comecei na escola General Neto, através do programa Mais educação, como sempre fui muito interessada, por ter familiares artistas, o meu professor na época, Fernando Sampaio, me incentivou a fazer aulas também particulares, em seu escritório musical. Tudo isso com o apoio de minha família”, contou.

O início de sua carreira

Em 2015, Vitória foi convidada, pelo seu professor, para participar do festival “Cantador de Campanha”, ela concorreu na categoria juvenil: “Para quem estava iniciando este era um grande desafio”. Infelizmente, a hora do tão esperado troféu não havia ainda chegado.

Alguns meses se passaram, a nova idade chega, 14 anos, e o talentoaflora. É chegada a hora de concorrer em outro município, Bagé foi o local escolhido e o festival “Rodeio Rainha da Fronteira” foi o palco de seu primeiro troféu: “Para minha surpresa, conquistei o segundo lugar, interpretando a canção “Gaudêncio Sete Luas”, essa premiação me deixou mais empolgada e confiante para seguir adiante na carreira artística”, conta.

Os prêmios não pararam por aí, confira alguns dos troféus de Vitória Josende:

  • 2º Colocação Ovino&Art 2016
  • 1º Colocação no Circuito da 18ª região tradicionalista
  • Bicampeã da Penquita
  • Vice campeã, por duas vezes, do Chão Batidinho da Arte Nativa
  • 2º Colocação, com o grupo “Os Aporreados”, no festival Tributo a Teixeirinha, por dois anos consecutivos
  • Troféu revelação do 9º Canto Xucro
  • 2º Colocação, com o grupo “Os Aporreados”, no 9º Canto Xucro
  • Premiação no festival Fest Jovem
  • Cinco Premiações no 10º Vertente Nativista Estudantil, nas categorias: Melhor intérprete; Música Campeã das Campeãs; Melhor Arranjo Instrumental; Melhor Instrumentista e 1º Colocação no Geral.

 

Sua carreira recém está no início, Vitória está tendo cada vez mais espaço na Fronteira da Paz, com diversas apresentações, em eventos privados, aniversários, abertura de festivais, abertura de shows, entre outros. Agora Vitória faz aulas em um conservatório musical, sob o olhar atento de seu professor, Daniel Braga: “Meu professor sempre acreditou muito em mim e em meu potencial, ao lado dele e de meu padrinho musical Régis Vargas, comecei a realizar shows em barzinhos, em shoppings, pizzarias e em locais com grande fluxo de pessoas”.

Novidades em breve

Vitória antecipa algumas surpresas que virão por aí. Uma composição fresquinha está sendo produzida para divulgação de seu trabalho: “Geralmente gravo músicas para triagens de festivais, há cerca de um mês, eu compus uma letra e a musiquei, ainda estamos trabalhando nisso e em breve terei a grande alegria de compartilhar com vocês. A gravação será feita no estúdio do produtor e músico Geovani Silveira e será no estilo MPB, estilo esse que me identifico muito”, conta empolgada.

Grupo Aplateia