seg, 15 de julho de 2024

LOGO GRUPO A PLATEIA capa branco
Variedades Digital | 13 e 14.07.24
Aplateia Digital | 13 e 14.07.24

Última Edição

Perdemos vidas e muito mais

Gilberto Jasper
Jornalista/[email protected]

“O pessimista é um otimista bem informado”.
Emprego este adágio com frequência por considerá-lo realista. Um ano inteiro de dor, luto, medo e disseminação generalizada de imagens de morte me levaram a crer que ser humano é uma espécie incapaz de exercer a solidariedade.
Antes que ser apedrejado, explico que se trata de uma força de expressão. Toda generalização, além de burra, é injusta. Lamento, porém, que quem deveria espalhar ao menos um pouco de esperança e de cor no breu do pavor diário se locupleta da tragédia planetária.
Os radicais de todas as ideologias, matizes e siglas continuam radicais. Ignoram a possibilidade de estarem – ao menos uma vez! – equivocados, além de desconhecer preceitos mínimos de convivência social hoje restrita ao smarphone.
A covardia do anonimato – um fenômeno tradicional verificado nos estádios de futebol, onde um idiota na multidão incendeia milhares – adquiriu contornos de epidemia, somada ao fenômeno digital das redes sociais, da radicalização onipresente.
Tente redigir, em qualquer plataforma/ferramenta digital, a pueril frase “eu gosto de água”. Em segundos sua “timeline” será invadida por ofensas, agressões e todo tipo de insultos. A isso se somará, também, raros elogios, mas que, ao final dos comentários, conterão uma alfinetada ofensiva contra os detratores.
Lembram daquela insistente cobrança dos pais de outrora e que hoje está fora de moda?
– Meu filho, vem cá. Por acaso tu esqueceu as palavrinhas mágicas?
“Bom dia”, “obrigado”, “por favor” e “desculpe”, entre outras expressões, tornaram-se sinônimo de pieguice, ingenuidade, atitude de ingênuos.
O bombardeio das funestas estatísticas onde o índice de recuperados figura em letras miúdas nos noticiários (embora supere os 90%) deprime, entristece, endurece corações, nos faz insensíveis devido à transformação da tragédia em produto. São mercadorias da política, da grande mídia, da manipulação de informações e do não direito ao contraponto.
A ampla defesa e o direito ao contraditório estão sepultados. Ligue o rádio, a TV, leia. Todos denunciam, investigam, julgam, impõem o veredito, aplicam a pena. Triste mundo este nosso que já clamou por liberdade. Depois de atingir este objetivo retrocedeu aos tempos medievais da opinião única.

Terra sem-lei

Certamente você já ouviu falar na expressão “terra sem-lei”. A expressão refere-se a um lugar onde todos fazem o querem, sem pensar nas consequências, o que não é o caso do Brasil. O exemplo claro disso é a decisão, desta semana, do juiz Everton Padilha Soares, do Juizado Especial Cível da Comarca de Sant’Ana do Livramento. O magistrado condenou o

Agilidade para liberar renegociação

Só depende de votação do Senado Federal a criação de um REFIS para os débitos contraídos pelos partidos políticos brasileiros em razão de descumprimento de obrigações referentes a prestações de contas, cumprimento de prazos ou ainda por eventual uso indevido de recursos de fundos partidário ou eleitoral. A Câmara dos Deputados já aprovou a PEC que propõe o refinanciamento de