dom, 21 de abril de 2024

Variedade Aplateia | 20 e 21.04.24

Doação de sangue acontece hoje na Santa Casa de Misericórdia

“Doar sangue não é apenas um ato de solidariedade. É um ato de vida. Quem doa sangue, doa futuro, sonhos e a chance de recomeçar”. Esse é o slogan da campanha de Santana do Livramento que nesta quarta-feira, 24 de outubro, realizou mais uma etapa.

Para ser um doador basta estar em boas condições de saúde, ter entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos, pesar no mínimo 50 kg, estar descansado, alimentado e apresentar documento original com foto emitido por órgão oficial.

A comunidade em geral tem das 9h às 16h30min para realizar a ação de solidariedade e cidadania. Além disso, também foram feitos cadastro de medula óssea pela assistente social do Hemocentro Regional de Alegrete. Dona Ana Rosa e Márcia Angélica são exemplos de doadoras regulares.

“Eu sempre sou voluntária porque tem pessoas que precisam, seja para uma doença ou outro motivo. Quando é época de campanha sempre procuro participar”, diz Ana Rosa Furtado.

“É importante doar porque sempre ajuda uma pessoa que em certo momento está passando por uma necessidade ou enfermidade. Às vezes em uma emergência é o que vai salvar a vida dessa pessoa. Sempre temos obrigação de ajudar o próximo. Sou doadora e descobri que meu sangue é O-, como é um dos sangues que é doador universal, as enfermeiras me ligam e quando estou na cidade, compareço”, comenta Márcia Angélica Neves.

De acordo com a enfermeira responsável pelo Banco de Sangue da Santa Casa, Daniele da Rosa, somente durante a manhã uma média de 90 pessoas já tinham doado sangue.

Enfermeira responsável pelo Banco de Sangue da Santa Casa, Daniele da Rosa.

Texto: Lauren Trindade/ Laurentrindade@jornalaplateia.com

Imagens: Marcelo Pinto/AP.

 

 

 

 

 

 

 

 

Até quando mulheres serão mortas por serem mulheres?

Revoltante. Esta é uma das palavras que pode ser utilizada para adjetivar os casos de feminicídios que estão acontecendo na Fronteira “da Paz”. Onde está a sociedade quando um crime desses acontece? Sim, sociedade. Apesar dos territórios, sejam eles brasileiro ou uruguaio, terem por dever garantir a segurança dos seus cidadãos, todos que fazem parte da comunidade têm uma parcela