qua, 19 de junho de 2024

Variedades Digital | 15 e 16.06.24

Um ano de saudade do Cantor Nelson Cardoso

O “Gaiteiro dos Canudos” deixou seu nome na história de Santana do Livramento. Nadir Castilho e João Marcos Kelbouscas gravaram música em homenagem ao tradicionalista

O gaiteiro e compositor tradicionalista Nelson Cardoso conhecido como o “Gaiteiro dos Canudos”, morreu no dia 23 de setembro de 2017, em Porto Alegre, aos 75 anos. Ele estava internado no Hospital Santa Casa de Misericórdia, para tratar de um câncer.
Neste domingo (23), completa um ano do falecimento do cantor. Nelson veio de uma família de músicos, tocava gaita de oito baixos, além de compor. Entre seus maiores sucessos, está a música “Meu Vale Quatro”.
Em homenagem a ele foi gravada a música “Gesto Bondoso”, com letra de Nadir Castilho e melodia de João Marcos Kelbouscas. Na última semana, a reportagem do Grupo A Plateia esteve no Bar Gaúcho Barreto para relembrar um pouco sobre o tradicionalista que deixou belas lembranças por onde passou.

Índio bueno de chegar de qualquer lado

Assim descreve Nadir Castilho o amigo que conheceu na Estância Unha de Gato. “Ele sempre foi gauchão, gostava de andar de bombacha e alpargata. A primeira vez que vi ele foi em um baile no João Siqueira, no Passo do Guedes. Nesse dia ele tocou a música dos Bertussi ‘Bela Ingrata’, sozinho na gaita, vi que ele era um homem bom. Desde então me tornei admirador dele. Fui trabalhar na estância do Recreio, perto da Unha de Gato, daí ficamos amigos. O Nelson gostava da parceria, isso deixava ele feliz. A gaita sempre estava com ele. Lembro tantas histórias juntos e a música que eu mais gostava era ‘Meu Vale Quatro’ e as milongas que ele fazia. Escrevi a letra da música em homenagem a ele, acredito ser uma benção divina porque veio com muita facilidade para escrever. Peguei a caneta e escrevi em dois dias, depois fiz os reajustes. Contei o que convivi e aquilo que ele era, porque era um homem que embora doente dizia que era feliz”, relembra o velho amigo que diz se encontrasse com o cantor diria que está fazendo muita falta.

O músico com a marca da Fronteira

João Marcos Kelbouscas que canta a música “Gesto Bondoso” diz que o Nelson sempre foi uma inspiração. “Quando aprendi a tocar gaita andei escutando as músicas dele e acredito muito que as músicas que faço, principalmente as milongas tem uma marca dele, sendo no jeito de tocar ou de cantar. Tive o privilégio de conversar com ele no Festival Vale Quatro da Canção, que acontece no Ibirapuitã. Sempre uma pessoa de bem com todos e muitos amigos na volta porque alegrava com uma história pra contar ou com alguma coisa que ficávamos encantados escutando. Tive muita honra de poder ter convivido, embora que pouco com ele, mas de ter tido alguns momentos para poder ouvir uma história pela voz dele e ver ao vivo tocando gaita. O Nelson é um músico com a marca da Fronteira, trouxe na música o que Livramento e Rivera, a fronteira sem divisa, representa”, finaliza João ao falar de uma de suas referências musicais.

Que Deus coloque o Nelson ao lado de Paixão Côrtes

Como Nelson e Paixão Côrtes eram tradicionalistas, o Gaúcho Barreto diz que se encontrasse com o músico diria que sente muita saudade e espera que Jesus Cristo coloque ele no melhor lugar ao lado de Paixão, grande amigo e companheiro da tradição.
“Nós fomos guri juntos na Pecuária. Ele estudava, mas sempre tinha atenção na gaita. Dizia: Vou ser gaiteiro, estudo porque meu pai me manda ir para o colégio, mas gosto de campo e de gaita. Quando tinha apresentação de bailado na Escola Júlio de Castilhos, ele tocava a cordeonazinha para fazer algum floreio. Ele não podia vir a Livramento se não chegasse ao Bar do Barreto. Temos muita história juntos, nem gosto de falar porque começo a chorar de saudade do meu companheiro e amigo. Lamentavelmente Deus quis ele lá, é o fim de nós todos, amanhã ou depois também vou me encontrar com ele e montar um boteco lá em cima”, conta Barreto emocionado lembrando das histórias do gaiteiro.

Letra da música Gesto Bondoso

Uma noite eu tive um sonho e acordei lavado em pranto por encontrar com um amigo me comovo quando eu canto sobre um numa do céu. Desceu em forma de um santo num gesto muito bondoso eu vi o Nelson Cardoso todo vestido de branco.
Perguntou como é que eu tava e aquilo me comoveu. Perguntou por seus amigos, seus fãs e parentes seus. Me disse eu me encontrei lá com grandes amigos meus. Com minha fé e minha crença eu me livrei da doença e estou bem junto de Deus.
Seu Nelson eu fiquei contente saber que o senhor está bem e que Deus lhe reservou um cantinho no além. Ninguém fica pra semente, nossa hora um dia vem, peço que descanse em paz porque Deus sabe o que faz e nós não somos ninguém.
O homem do “Vale quatro”, chapéu grande e melenudo e os trabalho dessa vida, doença passou de tudo. Aguentou firme o tirão foi um taura garronudo, teve momentos de glória deixou seu nome na história o Gaiteiro dos Canudo.
Ó meu Deus eu te agradeço pelo sonho que sonhei. Através dessa mensagem, o meu amigo eu encontrei. Na hora da despedida eu confesso que chorei, sorrindo me deu um abraço foi se sumindo no espaço e neste momento acordei.

Missa de um ano de falecimento

Amigos e familiares convidam para a missa na Igreja Santa Terezinha no domingo (23), às 19h.

Por: Lauren Trindade – laurentrindade@jornalaplateia.com

CMPC confirma investimento no RS, mesmo após enchentes

A multinacional chilena CMPC confirmou que o investimento no Estado, anunciado durante a assinatura do protocolo de intenções com o governo estadual no final de abril, terá seguimento, mesmo após os eventos climáticos que atingiram o RS. A confirmação dos R$25 bilhões, que terão como destinação a instalação de uma nova planta industrial de produção de celulose em Barra do