seg, 4 de março de 2024

Aplateia Digital | 02 e 03.03.24

Última Edição

Brasil recebe reconhecimento como livre da aftosa com vacinação

Foto: Marcelo Pinto/AP.

Na próxima quinta-feira, 24 de maio, o Brasil recebe o reconhecimento como livre da febre aftosa com vacinação da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, destacou que o resultado é fruto de dura trajetória e dedicação dos pecuaristas e do setor veterinário oficial brasileiro.

 

Segundo Blairo, o setor agropecuário na economia brasileira é de fundamental importância, influindo positivamente na balança comercial, na geração de emprego e renda, e contribuindo para o controle da inflação e melhoria das condições de vida da população.

 

O ministro citou dados de 2017 em que somente a pecuária representou um Valor Bruto da Produção (VBP) de 175,7 bilhões de reais. No mesmo período, apenas o complexo carnes teve um crescimento nas exportações da ordem de 8,9%, atingindo um volume de 15,5 bilhões de dólares.

 

“E ainda temos potencial para crescermos muito mais no mercado internacional, pois exportamos somente uma pequena parte da nossa produção de bovinos e suínos. Esse crescimento das exportações brasileiras se deve, além da inquestionável qualidade e competitividade dos nossos produtos, sobretudo à melhoria da condição sanitária do rebanho nacional.”

 

A próxima etapa para o Brasil é atingir o status de País livre de aftosa sem vacinação. Santa Catarina é o único estado reconhecido desde 2007 como livre de aftosa sem vacinação. Maggi alertou que ainda há trabalho a realizar e investimentos a fazer.

 

“Para isso, temos plena consciência da necessidade de fortalecermos ainda mais nossas capacidades de prevenção, vigilância e de resposta a possíveis emergências que possam ocorrer”, disse o ministro. Segundo ele, ainda serão necessários muito mais investimentos no serviço veterinário brasileiro, além da parceria dos produtores rurais, profissionais e outros atores do setor privado.

 

Fonte: Portal Suinocultura Industrial.