Política

Com evento na Prefeitura, Governo abre Semana Municipal da Consciência Negra

Evento aconteceu na manhã de ontem e contou com a presença de representantes dos três Poderes de Sant’Ana do Livramento

O Governo Municipal lançou evento na manhã dessa segunda-feira (13), a Semana Municipal da Consciência Negra. A abertura das atividades aconteceu no Salão Nobre do Palácio Moysés Vianna, e contou com a presença dos três Poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário.
Com a presença de secretários municipais e de representantes dos Conselhos da Igualdade Racial e Povos de Terreiro, a atividade marcou a abertura da Semana, que segue até o Dia da Consciência Negra, 20 de novembro.
Em sua fala, a juíza Carine Labres saudou a iniciativa do Executivo em sediar a abertura do evento nas dependências da Prefeitura e enfatizou a importância do engajamento das autoridades e dos três poderes, no combate ao racismo. “Cabe a nós, autoridades, combater este mal nefasto”, destacou.
Representando a Intendência, o edil Martinez pontuou as ações do governo vizinho no enfrentamento ao preconceito e ao racismo, através de projetos – como oficinas e capacitações - que envolvem desde servidores públicos, passando pelo empresariado e pela comunidade em geral. “O trabalho precisa começar dentro de casa”, destacou.
Envolvida na organização da programação da Semana da Consciência Negra, e única vereadora negra no Legislativo, a vereadora Márcia da Rosa destacou a necessidade do negro lutar pelo seu espaço na sociedade, sem que a cor da pele gere a sensação de inferioridade. “Precisamos lutar para vencer os preconceitos da sociedade”, ressaltou.
A vice-prefeita Mari Machado, no exercício da função de prefeita, registrou os cumprimentos do prefeito Ico Charopen e falou sobre a união entre as representações do Movimento Negro no município. Para Mari é fundamental que a sociedade e o Governo atentem sobre os problemas específicos de saúde da população negra, bem como para questões como o alto índice de vítimas de violência e o julgamento antecipado em função da cor da pele. “Não basta o discurso. É preciso ter políticas públicas que enfrentem o racismo e a discriminação”, destacou Mari.
Ainda na abertura, o vice-presidente do Conselho dos Povos de Terreiro, Cristiano Cabreira e a também representante do Povo de Terreiro, Carmen Pereira, falaram sobre a consciência negra no âmbito da educação e da religiosidade. A abertura contou ainda com as apresentações do projeto social Rosas de Ouro e da equipe Balanço de Exu.

Por: redacao@jornalaplateia.com - 14/11/2017 às 0:00

 

Deixe seu comentário