Geral

Santa Casa de Misericórdia em debate

Atrasos nos honorários médicos de 2016 e condições de trabalho são pontuadas pelo Simers

Nessa quinta (18) o SIMERS publicou nota com relação à situação do Hospital Santa Casa em Livramento. O Sindicato considera os atrasos de honorários médicos e condições de trabalho como um descaso da atual administração. Segundo a médica Dra. Luciana Peixoto, Delegada do Simers em Livramento, a situação é preocupante: “A dívida total com os médicos ultrapassa um milhão de reais e reconhecemos a dificuldade financeira do Hospital, porém os médicos precisam de respostas e de um cronograma de pagamento. O diálogo com a administração tem acontecido, mas faltam detalhes a esclarecer. Faltam médicos plantonistas e a escala de plantão fica comprometida a cada dia com a sobrecarga dos poucos profissionais trabalhando no hospital”, foram algumas das questões que a Delegada do Simers em Livramento pontuou.

Dentre a crise enfrentada pelo hospital destaca-se ainda a estrutura de diagnóstico para a realização de exames e laboratório que, com o atraso no pagamento de prestadores de serviço, acaba por comprometer o trabalho de diagnóstico clínico. Os setores de obstetrícia e pediatria são os mais comprometidos e carentes de profissionais, embora as dificuldades finaceiras, o serviço tem sido prestado com a máxima eficiência, foi o que garantiu a médica Luciana Peixoto.

Sobre o caso, o administrador Wainer Machado disse que desde o início de sua gestão todos os seus compromissos estão sendo cumpridos e garantiu que tem feito o máximo para tratar a todos dentro do hospital com equidade. Wainer disse que o mês de março já está pago e já encaminha o pagamento parcial do mês de abril. Ele entende que o quadro geral é ruim, mas que a solução depende do trabalho e da união de todos e, principalmente, do envolvimento da comunidade.
Wainer apresentou um documento onde comprova que a receita da Santa Casa é menor que o total de despesas e que a cada mês o défict é inevitável. “Não podemos esconder isto da população e quero deixar claro que este descaso referido pelo Simers não foi criado de um hora para outra, mas ao longo de muito tempo”, esclareceu.

Wainer disse que o momento está sendo usado para individualizar a dívida de cada médico e assim poder apresentar um plano de pagamento, todavia, deixou claro que as questões financeiras não podem ser resolvidas na pressão. Sobre a falta de médicos, o administrador disse que a alternativa é suprir com os profissionais da fronteira, ou seja, médicos de Rivera que trabalham em Livramento.
Dentre as ações da administração do hospital para conter despesas, Wainer Machado garantiu que já diminiu a folha de pagamento do hospital em R$ 60 mil reais e agradece a ajuda de empresários que tem ajudado o hospital com doações e a campanha do Troco Solidário.

Por: redacao@jornalaplateia.com - 19/05/2017 às 9:44

 

Deixe seu comentário