Editorial

As baixas não dizem nada

O Governo Municipal teve a sua quarta baixa esta semana, com a despedida anunciada da secretária de Turismo. Se a desistência do médico Doralício também for somada já serão cinco os secretários que abdicaram, contudo, na maioria dos casos os motivos elencados são de ordem pessoal e familiar.
Baixas não significam crises. O atual governo tem mostrato que, embora as dificuldades iniciais e heranças recebidas, o diálogo tem sido a sua principal ferramenta. Além da porta aberta com os santanenses e conversas francas com a comunidade, a linha direta também foi estabelecida com a cidade vizinha Rivera e muitos frutos estão sendo esperados até o final do ano.
Embora a cobrança, o dia a dia com o eleitor e a cidade recheada de demandas, a sinceridade e diálogo não podem ser colocados como “dificuldades”, ao contrário, são forças e virtudes que estão sendo bem cultivadas.
Saídas não significam apenas perdas, estas podem ser novas oportunidades para novas ideias, novos pensamentos, novas formatações e contribuições. Muitos projetos são iniciados e, por algum motivo, precisam ser encerrados de forma precoce. O trabalho no caso da secretaria de Turismo seguirá e a torcida é que o Turismo em Livramento também. A cidade carece de atenção, cuidado e novo oxigênio e o turismo será, com certeza, uma das portas para fazer a terra de Livramento respirar mais e melhor.

Por: - 11/05/2017 às 10:24

 

Deixe seu comentário