dom, 5 de dezembro de 2021

A PLateia Digital - 04-05/12/2021

Última Edição

Atitudes

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Morro e não só não vejo tudo, assim como não consigo me acostumar com a chamada política.
Fui buscar o significado desta palavra: política – ato ou efeito de governar. Está lá, no Google ou em qualquer dicionário da lingua portuguesa. Aí busco o significado da palavra governar: dirigir, administrar. Será? Será mesmo isso? Na minha simples, singela e humilde cabecinha, sempre achei que os dirigentes estavam ocupando cargos pensando na melhoria de seu povo, de sua cidade, de sua comunidade, mas como disse, morro e não vejo tudo. Mandatos entram, mandatos saem, promessas são feitas, e nunca, nunca, cumpridas. As desculpas são as mais variadas. Com raras exceções, os mandatários – que supostamente foram eleitos para ajudar a população – deixam o poder sem terem triplicado ou quadruplicado seu patrimônio (e olha que estou sendo modesta!). Daí quando uma prefeita, ou até mesmo um vereador, faz algo (e bota algo nisso) pela sua cidade os abutres vão com tudo, do tipo: ah, já que não fui eu que fiz, já que não és do meu partido – “dos nossos”, tu estás errado. Vou jogar areia no teu assado.
A crítica deve existir e ela pode ser construtiva ou destrutiva. A oposição é o fiel da balança para não deixar a situação despencar. No entanto, vejo muita hiprocrisia nas atitudes. As críticas e atitudes não são para defender a população, para melhorar nossa cidade, nossa qualidade de vida, elas são por pura demagogia. Por “interésses”, como dizia Leonel Brizola. Vejo pessoas criticando o outro por tal atitude, mas quando chega sua vez fazem exatamente igual ou pior desde que isso lhe favoreça. É um tal de usar a Lei de Gérson, que Deus me livre! Uma pena, pois essa lei foi usada com tanta veemência, que se tornou cultural. Cada um quer ter mais benefício próprio que o outro, cada um quer ter mais direito que outro. Ou seja, sou beneficiada, está ótimo. O outro é beneficiado: é malandragem, sem-vergonhice, sacanagem, e outros impropérios mais. E a sardinha fica espremida contra o rochedo.