ter, 19 de outubro de 2021

Aplateia Digital - 16/10/21

Última Edição

Sicredi e o protagonismo no agronegócio do RS

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

No Plano Safra 2020/2021, o Sicredi liberou cerca de 45% de todos os contratos de crédito rural do estado

A origem do Sicredi guarda estreita relação com o agronegócio gaúcho. As primeiras cooperativas foram fundadas a partir de 1902 com o objetivo de financiar os imigrantes de origem europeia que haviam chegado ao Rio Grande do Sul e que precisavam comprar terras, animais, sementes e implementos. Décadas mais tarde, a partir de 1980, novas cooperativas foram fundadas no estado, com o apoio das cooperativas de produção, para financiar o agronegócio que sofria com a escassez de recursos públicos.

Tendo sua origem junto aos produtores rurais, o Sicredi fixou fortes raízes no interior do RS, estando, hoje, presente em 94% dos municípios, com mais de 600 agências e tendo em sua base, apenas no estado, mais de 2 milhões de associados. Adicionalmente, em 98 municípios, o Sicredi é a única instituição financeira presente, demonstrando o interesse genuíno de levar o desenvolvimento e a prosperidade a todos os municípios, independentemente do seu tamanho.

Em municípios gaúchos com menos de 100 mil habitantes, em média, 40% da população adulta são associados do Sicredi, comprovando sua vocação para ser uma instituição financeira da comunidade, apoiando pessoas físicas e jurídicas em suas mais variadas necessidades. O agronegócio é o motor da economia do Rio Grande do Sul. Em nível nacional, o agro representa cerca de 25% do PIB e em nosso estado este percentual chega a 40%, ilustrando a pujança do agro gaúcho e nos levando à reflexão do quanto somos todos dependentes do sucesso do agronegócio.

O estado é formado por 497 municípios, com 2/3 deles tendo menos de 10 mil habitantes, onde a relevância do agro ultrapassa facilmente os 50% ou 60% do PIB. O agronegócio é a principal atividade econômica em 61% dos municípios e 60% das propriedades rurais do RS têm menos de 20 hectares. Temos, portanto, um cenário de pequenos municípios e pequenas propriedades, o que explica o motivo de 86% das propriedades rurais serem caracterizadas pela agricultura familiar.

Em total de área plantada, as maiores culturas são a soja, o arroz, o milho, o trigo e o fumo e na pecuária, encontramos a maior relevância no frango, no gado de corte e no gado leiteiro. Esta breve contextualização, demonstrando a relevância do agro no Rio Grande do Sul, serve como introdução para apresentar a importância do Sicredi no agro gaúcho. Em um estado em que 40% do PIB são oriundos do agronegócio, é natural que o agro seja relevante em uma instituição financeira que está tão enraizada com os gaúchos.

Plano Safra 2020/2021

No Plano Safra que se iniciou em 01/07/2020 e findou em 30/06/2021, portanto em pleno ambiente da pandemia, o Sicredi financiou cerca de R$ 10 bilhões para o agronegócio gaúcho. O crescimento no volume financiado foi de 26% quando comparado com o ciclo anterior. Também no volume de operações houve crescimento de 8%, atingindo 127 mil contratos firmados.

No conjunto das instituições financeiras, o Sicredi financiou praticamente metade dos contratos firmados no RS. Foram 44% das operações e 29% dos valores, figurando em primeiro lugar no número de contratos e em segundo lugar em volumes contratados. A relevância do Sicredi no Plano Safra 2020/2021 se comprova nas operações de custeio, pois representaram mais de 44% no total de contratos e 34% no volume total financiado. Ainda sobre as operações destinadas a custeio, 76% foram destinados para a atividade agrícola (com 52% para soja) e 24% para a pecuária (com 90% para bovinos).

Nas operações de investimento (máquinas, implementos etc.) a liderança do Sicredi ocorreu tanto no total de contratos liberados (45%), como no volume financiado (38%). Durante a pandemia, as operações de investimento cresceram 66% em volume e 24% em quantidade de contratos. As operações de investimento representaram 30% do volume total liberado, enquanto o custeio representou os outros 70%.  Importante destacar que 74% das operações de crédito foram destinadas à agricultura familiar, com mais de 50 mil famílias beneficiadas.

No total da carteira de crédito do Sicredi, no RS, as operações de crédito rural representam 25% do volume total, demonstrando que mesmo com sua grande relevância no agro, ainda existem outros 75% da carteira de crédito destinados ao público urbano, atestando a sua relevância tanto no campo como na cidade.

Protagonismo em nível nacional

Também em nível nacional, com atuação em 25 estados e também no Distrito Federal, o Sicredi exerce grande protagonismo no agronegócio, sendo a segunda instituição financeira que mais concede crédito no país e a terceira em quantidade. No Plano Safra 2020/2021 foram R$ 29 bilhões liberados, em 220 mil operações, com aproximadamente 80% destinados para agricultura familiar. Importante crescimento foi verificado no novo Plano Safra 2021/2022. O primeiro mês de contratações, em julho/21 apresentou crescimento de 51% quando comparado com julho/2020, o que representou praticamente 1/5 de todas as contratações realizadas no país.

Construir juntos uma sociedade mais próspera

Como uma instituição financeira comprometida com o desenvolvimento das comunidades, o Sicredi possui como propósito levar a prosperidade para as pessoas e as comunidades em que atua. São vários os benefícios e os impactos positivos que o cooperativismo gera onde está presente. Além da oferta de produtos e de serviços, adequada à realidade local e regional, as cooperativas promovem o desenvolvimento social por meio de sua atuação em vários programas relacionados à educação, ao empreendedorismo, à liderança, à cultura, entre outros.

Por fim, um dos grandes diferenciais das cooperativas é o reinvestimento dos recursos nas próprias localidades em que eles são gerados. Neste aspecto, no Sicredi, 55% dos recursos destinados ao crédito rural são oriundos das captações de caderneta de poupança realizadas pelas cooperativas nos próprios municípios em que elas atuam. São os recursos e as riquezas da região fomentando o ciclo virtuoso do cooperativismo, gerando mais empregos, mais renda, novos investimentos e prosperidade para os associados e a sociedade.

Márcio Port

Vice-Presidente da Central Sicredi Sul/Sudeste

FUTEBOL: PAIXÃO SEM SENTIDO. MAS É PAIXÃO!

Buenas!,   Nesta semana, depois de quase dois anos, frequentei um estádio de futebol. Não há porque guardar segredos, não sou comentarista esportivo, portanto confirmo