qua, 22 de setembro de 2021

Aplateia Digital - 18-19/set/2021

Última Edição

Responsabilidade paterna ou materna?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Alguns assuntos conseguem me exasperar. Assuntos que fazem parte da nossa realidade social, como por exemplo: a responsabilidade parental. Lendo o desabafo de uma mãe nas redes sociais, aliás um texto bem escrito perto do que se vê por aí, que ela era mãe solteira, tinha quatro filhos e nunca tinha pedido nada para ninguém. Será? Fica a pergunta: como ela consegue o milagre de sustentar cinco pessoas sem pedir nada para ninguém? Não me refiro à esmola, me refiro ao fato de que nós, de uma forma ou outra, sempre dependemos uns dos outros, ainda mais colocando quatro crianças no mundo sem o apoio (ou devo dizer: responsabilidade?) paterno. Não seria tarefa dos dois? É motivo de orgulho colocar quatro crianças no mundo e criar do jeito que der? Ainda é do tempo: onde come um, come dois, três? Não, não come. Ainda mais criança. A não ser, é claro, que a pessoa (eu não deveria escrever: as pessoas?) que colocou essas crianças no mundo não se preocupe com a qualidade de vida que elas terão até conseguirem proverem seu autossustento. A responsabilidade não deveria ser mútua? Essas crianças, todas, não deveriam ter pai e mãe? Muitos leitores poderão dizer: ah, mas não são todos que têm esclarecimento ou a maioria dos jovens não pensa em nada. Como assim os jovens não pensam em nada? Não pensam que vão colocar um ser no mundo que vai exigir comida, afeto, educação, cuidados?
Se nada for feito desde a mais tenra idade – refiro-me à educação, desde pequeninos, como orientação e esclarecimento, até a adolescência, a população vai continuar crescendo exponencialmente, vivendo na miséria, pensando (pensando?) pouquinho e levando a vida como der. Ah, sim, depois é só ir no Parque Internacional e riscar a fonte, recém-restaurada, para mostrar o grau de consciência e de educação recebida.
A propósito, sobre o tal texto e sobre a tal mãe, parece que era fake já que a pseudomãe nunca foi localizada. E vamos largar mentiras nas redes sociais! E vamos abusar da sensibilidade e dos sentimentos alheios. Aliás, se era fake, qual o objetivo dessa postagem?