qui, 23 de setembro de 2021

Aplateia Digital - 18-19/set/2021

Última Edição

Profissões

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Lembro, há anos, quando ouvia que algumas profissões eram um “sacerdócio”. Eu ficava pensando: bah, quanta abnegação! Claro que eu não sabia que o Vaticano tinha (e tem) um dos bancos mais ricos do mundo e que seu patrimônio, se vendido fosse, daria para matar a fome e tirar da miséria muita, muita gente. Claro, o Itaú também, o Santander, o Bradesco… esses que citei são os que conheço.

Voltando às profissões, normalmente esse tipo de comentário era feito aos médicos e/ou professores. Aliás, os professores até hoje continuam sendo abnegados, porque “êita” profissão desvalorizada! No entanto, muitas vezes não é tu quem escolhe a profissão, é ela que te escolhe. É o meu caso. Sempre tive um fraco por Português, sempre o considerei um desafio, porque se nem mesmo os gramáticos concordam em tudo, como, nós, míseros mortais, vamos falar e escrever corretamente uma língua que ora acentua, daqui um pouco não acentua mais, ora devemos nos esforçar com a gramática, ora não precisa mais. Afinal, o importante é se comunicar, o falante tem o direito de dizer do jeito que quiser. Será? Bah, então perdi anos e anos da minha vida tentando melhorar.

Bom, seja lá como for, sou teimosa e continuo estudando, estudando e estudando. Já virou vício. Atualmente estou fazendo um curso (pós) intitulado Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa. Já sei, vocês vão dizer: ihh, aí vem ela se exibir! Pior que não! Vim desabafar. Aparentemente esse material deveria estar escrito corretamente, ou não? O curso é de Português, para professores de Português, estão ensinando sobre

Português, e o discente tem que alertar o Curso sobre os erros de Português encontrados no material?
Viu!? Uma vez revisora, sempre revisora. Que errar é humano, eu concordo, mas até que ponto serve como alento, como desculpa?

Vocês até podem dizer que, às vezes – eu disse: às vezes – deixo passar algum erro no jornal, mas como diz o ditado: pimenta nos olhos do outro é colírio!