dom, 11 de abril de 2021

Jornal A Plateia Digital - 03.04.2021

Última Edição

Secretaria de Saúde negocia com o Exército para abertura de hospital de campanha

A logística do kit de intubação para Santa Casa já está sendo feita pelo Exército Brasileiro
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
(Foto: Marcelo Pinto/AP)

A Secretária de Saúde, Caroline Gomez afirmou que Sant’Ana do Livramento está em negociação com o Exército Brasileiro para a abertura de um hospital de campanha. Caroline afirma que ainda existem leitos para serem abertos na Santa Casa, mas se for necessário, já está em tratativas com a instituição. “Não adianta só abrir o hospital, são necessários os kits de suporte, além de toda a logística, os hospitais estão se remanejando para terem em si toda a estrutura de um hospital de campanha”, explica.

Sobre a vacinação, a secretaria destaca que existe previsão da chegada de novas doses do imunizante ainda esta semana. A última vacinação foi de pessoas de 63 anos completos e, de acordo com a secretária, após a conclusão da imunização de idosos de 60 anos, ainda não foi estipulado quais serão as próximas pessoas a receberem a primeira dose. De acordo com Caroline, é necessário aguardar a recomendação do Estado e do Governo Federal, para que seja escolhido o próximo grupo. “Estamos trabalhando dentro do correto, do que é possível, não estamos para ‘trancar a rua’, não queremos ficar com vacinas estocadas”, afirmou.

SANTA CASA

Segundo a diretora-geral da Santa Casa, Leda Marisa, os números de internações no hospital têm aumentado, muitas pessoas estão sendo medicadas em casa por falta de leitos adequados e sendo plenamente atendidos. Atualmente, 25 leitos estão ocupados em uma ala com apenas 24 leitos cadastrados como Covid, o fato acontece devido a um casal ter sido internado junto há dias atrás, a equipe não teve tempo de desinstalar este leito adicional.

“O quadro é delicadíssimo, severo”, afirmou Leda Marisa.

A Ong Provida angariou recursos junto da comunidade santanense para a compra de equipamentos para a unidade de terapia intensiva. Tudo foi pago à vista. A dificuldade agora é a logística para a entrega destes equipamentos. A indústria, o comércio e os transportadores estão passando por complicações por falta de insumos para que eles também possam realizar os seus trabalhos.

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies