dom, 11 de abril de 2021

Jornal A Plateia Digital - 03.04.2021

Última Edição

PROTOCOLO COMPORTAMENTAL NOS DIAS DE HOJE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Buenas,

Chegou março e cá estamos na mesma posição em que estávamos no março anterior, trancados em casa por causa dessa inominável pandemia. Um ano se passou e continuamos sem saber muita coisa, além da funesta informação de que essa doença não tem cura, no máximo, uma vacina preventiva que está chegando bem devagarinho por estes pagos…

Por isso, caríssimos leitores (imaginem a minha felicidade, pois soube que houve um incremento de um ou dois nessa última semana) irei apresentar alguns protocolos e suas relevantes justificativas para que possamos sobreviver ao inominável “coiso”, como prefiro denominar esse maldito vírus. Afinal, uma certeza temos: ele permanecerá entre nós por um bom tempo… Não percamos mais tempo, vamos a lista:

Máscara:

Há 12 meses lemos e ouvimos sobre a importância do uso da máscara como prevenção da covid-19. O que não vi em nenhum lugar são as demais vantagens que não podem ser ignoradas. Ela evita a dissipação do mau hálito, um mal que assola oito em cada dez indivíduos, tanto em órgãos públicos quanto em empresas privadas, conforme a OMS.

Com isso, quem não pode fazer teletrabalho, consegue superar o revés causado pelo cidadão que exala odores dignos do reino de Hades. O único porém é ele ter de encarar seu próprio odor de enxofre. Talvez assim, consciente de sua condição, esse colega passe a escovar os dentes com maior dedicação.

Podemos encontrar outra vantagem que vem ao encontro da economia necessária em tempos pandêmicos: economizar com aparelho nos dentes! Para que gastar consertando os dentes se eles estarão quase o tempo todo escondidos?, pergunta meu colega que sempre evitou esse investimento, sorrindo por baixo de sua máscara.

Quem está feliz com ela são os feios! Ops, melhor dizer: os desprovidos de atrativos estéticos. Melhor usar palavras politicamente corretas, nunca se sabe a sensibilidade de meus leitores. Esses (os feios em geral, não os meus leitores) estão todos pimpões, felizes com a valorização do olhar, sua parcela mais significativa.

Para completar as vantagens, podemos usá-la como disfarce, nunca visando o crime, mas sim a sordidez. com a máscara, não seremos obrigados a sorrir simpaticamente às pessoas na rua, muito menos no trabalho. Um esgar de olhos será o máximo de polidez que irão me arrancar daqui para a frente. Tudo visando a economia de meios…

Lavagem das mãos:

Com água e sabonete ou o tão falado álcool gel, os vírus poderão ser “desgrudados” da derme, evitando a contaminação. Porém, temos ganhos mais significativos. Sou obrigado a confessar que, ultimamente, passei a dar mais atenção à limpeza das mãos. Por exemplo, quando fazia o número 1 tinha o péssimo costume de sair correndo, relegando a higiene manual a uma rápida passagem sob um jato d’água. Atualmente, dou bastante atenção a essa tarefa rotineira.

Desde o início da pandemia lavo com ênfase, tenho um tubo de álcool em gel na minha mesa no trabalho, outro na entrada de casa, mais um dentro do carro, além de, sempre que entro em um ambiente com os espargidores, faço questão de encharcar as mãos. Minha mãe ficaria orgulhosa de, finalmente, ver seu filho mais velho obedecer suas prescrições rigorosas de limpeza antes das refeições ao invés de apressadas passagens das mãos sob a torneira…

 

Distanciamento Social:

O distanciamento garante que o “coiso” não chegue até você, já que ele pode ser conduzido em microscópicas gotículas de água. Porém, tem outras tantas vantagens que não podem ser ignoradas. Uma delas é a obrigatoriedade de cumprimentar pessoas que não temos intimidade. Podemos usar o sinal clássico dos índios e dizer: “rau!” com a mão levantada, evitando inclusive os cumprimentos de soquinho ou de cotovelo.

Aliás, outra vantagem do distanciamento é o elevador. Não precisamos ser simpáticos e segurar a porta para aquela senhora idosa e seus cinco cachorros insuportáveis, aquela que sempre quer contar sobre suas dores e quantas amigas perdeu para o vírus. Afinal, as regras obrigam que somente os membros da mesma família ingressem ao mesmo tempo, desculpe aí, não foi por mal, digo, sorrindo por sob a máscara, espera o próximo…

Conclusão:

A lista acima visa valorizar os protocolos previstos pelos órgãos de saúde, fazendo com que a vida seja valorizada, preservada e, ainda por cima, tenhamos vantagens diferenciadas nessa obediência! Usando uma expressão em inglês (e vocês sabem que não gosto delas, mas no caso essa resume bem o que quero dizer), é uma situação “win-win!” Ou seja, todos saímos ganhando, principalmente se escaparmos dos bafos de onça ou da vizinha e seus guaipecas!

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies