seg, 18 de janeiro de 2021

Aplateia Digital  -  16/01/2021

Última Edição

Garçom – por Fabrício Carpinejar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O amigo Léo Jaime falou que seu corpo só pensa em uma Pfizer estupidamente gelada, a -75 graus, com direito a repeteco.

De álcool gel, estamos fartos. De estatísticas e notícias fúnebres, estamos cheios. Estamos mesmo mortos de sede da vacina, precisando molhar o braço e recuperar a esperança do convívio, do aconchego da família, do trololó da rapaziada e das ruas cheias sem medo do esbarrão.

É o nosso trago sonhado. A birita que não pode faltar à mesa. A aguardente da normalidade de novo.

Meu paladar não é tão exigente. Topo todas. Pode vir o coquetel da Moderna (EUA). Ou o saquê da Coronovac (China). Ou a vodka da Sputinik (Rússia). Ou o gin da AstraZenec (Reino Unido). Em último caso, desça o Masala chai da Bharat Biotech (Índia).

Aceito qualquer uma das opções do cardápio, para sentir os efeitos colaterais dos abraços e dos beijos, do cafuné e do colo. Para voltar a viajar, a me banhar nas praias, a pular em shows, a gritar nos estádios de futebol.

Quero mais me embriagar de viver, tomar um porre de alívio e de felicidade, experimentar a ressaca da ternura. Que a vacina contra a COVID-19 não demore a chegar no Brasil. A abstinência emocional já foi longa.

 

Fabrício Carpinejar

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies