qua, 22 de setembro de 2021

Aplateia Digital - 18-19/set/2021

Última Edição

Órgãos do Brasil e do Uruguai farão a primeira pesquisa sobre a Covid-19 na Fronteira

Trabalho será realizado em Sant’Ana do Livramento e Rivera por meio de testes sorológicos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Momento en que realizan el hisopado (Foto: Marcelo Pinto/AP)

Pesquisadores de, pelo menos, oito órgãos do Brasil e do Uruguai iniciam uma pesquisa em fevereiro de 2021 com o objetivo de conhecer a proporção de pessoas que já foram infectadas com o novo coronavírus SARS-CoV-2 e avaliar o impacto sócio-sanitário das medidas de emergência na população fronteiriça de Sant’Ana do Livramento e Rivera. Será a primeira pesquisa sobre a Covid-19 em zona de Fronteira. A apresentação pública do projeto acontece nesta quarta-feira (16), às 10 horas da manhã, no Intituto Tecnológico Rivera (ITR) Norte da Universidade Tecnológica do Uruguai (UTEC).

De carácter voluntário, o estudo reunirá instituições governamentais e de pesquisa dos dois países, tais como: Ministério da Saúde Pública do Uruguai, pesquisadores da Universidad de la República (UDELAR), Institut Pasteur de Montevideo, UTEC, IFSul, Uergs, Unipampa e investigadores independentes.

O estudo selecionará uma amostra estatística de pessoas maiores de 18 anos, de ambos os sexos que queiram livremente participar da pesquisa. Até o mês de fevereiro, ocorrerá uma campanha para convidar os interessados em realizar o teste sorológico. Os profissionais de saúde, instituições e pesquisadores de cada país conduzirão as pesquisas em seu território e depois analisarão os dados obtidos de forma conjunta e relacional.

Ao todo, serão realizados os levantamentos por 20 dias, após a ideia é se ter a real situação do número de infectados com SARS-CoV-2 na Fronteira, com características dos sintomas da doença e a quantidade de pessoas assintomáticas. Além disto, será possível conhecer melhor as consequências que as medidas de controle da pandemia produziram na saúde global e as condições socioeconômicas das cidades gêmeas.

Foto: Marcelo Pinto/AP