Os “malas” do whats na crise

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Gilberto Jasper
Jornalista/gilbertojasper@gmail.com

Como se faz pra fugir do que parece ser o único assunto há quase seis meses? Confesso que está muito difícil, de maneira especial para quem trabalha com comunicação e para quem consome informação, ou seja, quase todo mundo. O fenômeno da “pauta única” não tem prazo de validade.
O WhatsApp se tornou o veículo de comunicação mais importante do momento consolidando um destaque crescente antes mesmo da pandemia. Como tudo na vida há os dois lados, o bom e o ruim, o certo e errado. O dedilhar frenético ao celular tem sido fundamental para espantar a solidão de milhões de pessoas mundo afora. Falar com afetos através de videochamadas, por exemplo, é um bálsamo capaz aplacar a saudade, mesmo que seja um remédio momentâneo.
O período de “prisão domiciliar compulsória”, imposta pelo empírico “fecha tudo, fica em casa”, nos obrigou a encarar a tecnologia. Falo mais à miúde dos “jovens há mais tempo”, como eu, aos 60 anos, que apela à ajuda dos filhos e que aprendeu a manusear os aplicativos. Afinal, eles facilitam o pagamento de contas e instigam as compras de impulso. Basta clicar que em segundos um boleto ou formulário para apor o número do cartão de crédito surja na tela. E toda vez que você abrir um rede social aparecerão milhares de anúncios sobre produtos similares aos adquiridos. Malditos algoritmos!
Mas como nem tudo são flores, os golpes virtuais se multiplicaram, apesar do alerta insistente das autoridades em segurança pública. A capacidade de criar artifícios visando ganhar dinheiro fácil, sem trabalhar, desafia a capacidade dos técnicos empenhados em desenvolver dispositivos para garantir a privacidade.
Outra praga do whats são os tais “grupos”. Seja de família, do condomínio, da firma ou mesmo do grupo de amigos do churrasco/cerveja/futebol a figura do “mala”, do “sem noção” e “inconveniente” é onipresente, com incrível energia para se mostrar presente.
Os infalíveis “bom dia” e “boa noite” são até suportáveis, mas a necessidade de opinar sobre tudo, o tempo todo, parece incontrolável para determinadas pessoas. Mas a vida é assim mesma não é? Ninguém é tão abençoado que possui somente gente bem humorada, sensível e inteligente. Na família, no emprego e no círculo de amizades. Então… haja paciência, mais do que nunca.

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies