A importância da arte do cinema

Coluna 35mm - Guilherme Silva
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A coluna 35mm precisou ser reformulada. Ainda bem que o Grupo A Plateia disponibiliza a possibilidade para essa reformulação. Passamos por momentos muito tristes no enfrentamento dessa pandemia, em algum nível todos nós fomos prejudicados e espero que possamos superar esse momento e seguirmos em frente. E uma forma de enfrentar a pandemia é justamente recorrer à arte. As expressões artísticas nos ajudam a manter a sanidade. A literatura, a música, a dança, a pintura, a escultura, a fotografia, o cinema, enfim… A arte que consumimos será eficaz para melhorar nosso dia. O que faríamos sem arte? Estou aqui para falar de uma delas. Havia iniciado, logo no início do ano, quando o Jornal havia mudado a forma impressa, adicionando um grande conteúdo. Recebi com muito orgulho e felicidade essa oportunidade em comentar um pouco dessa arte que tanto amo: O Cinema! Sigo fazendo isso e espero poder transmitir coisas boas relacionadas à 7ª arte.

 

Joker – Coringa – 2019 – Todd Phillips

 

O que faz um filme ser bom? Essa pergunta pode ter diversas respostas técnicas, objetivas ou subjetivas, entretanto acredito que você deva se ater a apenas uma resposta. Gostar ou não do filme, simples assim. Um filme é bom quando eu gosto dele. Mais do que entender história, detalhes técnicos, atuações ou intenções do diretor, você precisa gostar da experiência. E você só irá adquirir essa sensibilidade assistindo filmes. Você não precisa estudar a crítica, a recepção das outras pessoas sobre o filme ou a influência que aquela história possa ter trazido. Fuja dos Spoilers e aproveite a experiência com o filme. Se for satisfatória, se você se sentir atraído por aquele conteúdo é o que basta para o filme ser bom. Com o tempo a sua sensibilidade vai aumentando e você se torna mais aberto à outras experiências e, filmes que antes não chamavam sua atenção, poderão passar a ser atraentes.

 

2001: A Space Odyssey – 2001: Uma Odisseia no Espaço – 1968 – Stanley Kubrick

 

Gosto de relacionar os filmes com a nossa vida. Afinal de contas os filmes também servem para isso. Penso que pessoas que não estão abertas à novas ideias, são pessoas que trazem um sentimento preconceituoso dentro de si. Ou um sentimento receoso. Pessoas que tem algum tipo de preconceito, seja ele qual for, precisam se desprender desse tipo de atitude e perceber que ser alguém que nutre preconceitos diante de qualquer coisa ou pessoa é errado, e precisa se esforçar para melhorar suas atitudes em relação a isso. Pessoas que tem medo da mudança ou medo do novo também devem procurar reaver seus conceitos. Estamos em constante mutação e evolução e isso não é uma coisa ruim. Assim como nos filmes, nossa percepção muda, nossa sensibilidade aumenta, basta se deixar liberto de qualquer amarra que possa ter te impedido de evoluir. Então, procure por filmes. Existem diversas formas para ter acesso a filmes hoje em dia. Faça um esforço para conhecer filmes além do que está acostumado.