Câmara aprova reforma da previdência

Com oito votos a favor e cinco contra, projeto passou após mais de duas horas de discussão, em sessão extraordinária
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Câmara de Vereadores de Sant’Ana do Livramento aprovou, por maioria, o projeto de reforma da previdência dos servidores públicos municipais. A votação extraordinária aconteceu nesta quinta-feira (30), data em que se comemora o aniversário da cidade.

Ao total, foram oito votosa cinco. Votaram favoráveis os vereadores Danúbio Barcelos (Republicanos); Marco Monteiro (PSDB); Maria Helena (PDT); Maurício Galo del Fabro (PP); Carlos Nilo (PP); Evandro Gutebier (Republicanos); Márcia da Rosa (PP) e Ulberto Navarro (DEM). Votaram contra a reforma Aquiles Pires (PT); Dagberto Reis (PT); Leandro Ferreira (PT); Germano Camacho (PTB); e Antonio Zenoir (Republicanos).

A proposta aprovada aumenta a alíquota única de contribuição dos servidores de 11 para 14%. Tinha-se uma expectativa na possibilidade de não se aprovar a reforma nesta quinta. Isso porque no início da sessão, o primeiro secretário leu uma portaria publicada no Diário Oficial da União, que “altera o prazo para a comprovação à Secretaria Especial da Previdência e Trabalho do cumprimento de parâmetros gerais relativos aos Regimes Próprios de Previdência Social”. A nova data citada no decreto era de comprovação é de 30 de setembro.

Mesmo com a portaria publicada o tema ainda gerou dúvida no plenário. O vereador Aquiles Pires falou sobre o que chamou de uma questão de interpretação. “Eu tenho dúvida em relação a essa nota se ela não prorrogaria o prazo, pois lá no parágrafo único, ela joga o prazo para a exigência dos documentos para o dia 1º de agosto”, disse. “Pelo princípio de menor risco ao servidor, eu pediria a líder do governo que retirasse a urgência”, pediu.

Mesmo, assim, e depois de horas de discussão, a líder do Governo, não retirou o projeto. “Conversei agora com o prefeito, passei para ele o que foi apresentado aqui […] Porém, o caput do artigo que remete para a votação da lei não foi mudado”, disse Maria Helena mantendo o projeto.