Menino com autismo pinta canecas e ajuda na renda da família em Esteio

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Daniel se expressa por meio de desenhos com dinossauros, formas e cores vibrantes. Pandemia do novo coronavírus diminuiu receita da casa.

O pequeno Daniel, de 7 anos, descobriu cedo como associar talento com trabalho. Morador da cidade de Esteio, na Região Metropolitana de Porto Alegre, o menino diagnosticado com autismo ajuda na renda da família com a venda de canecas estampadas por desenhos de autoria própria.

Entre dinossauros, flores, cores vibrantes e formas, a imaginação de Daniel se manifesta fazendo com que ele se comunique com o mundo ao redor.

“O desenho para o Daniel é uma forma dele se expressar, é uma forma dele se concentrar. Ajuda muito ele, é uma forma dele brincar, porque ele brinca. Ele está desenhando, ele está brincando, fazendo arte brincando”, explica Oneida Dias, mãe de Daniel.

Orgulhosos das criações, os pais de Daniel resolveram estampar os desenhos em canecas e vender entre os familiares. O dinheiro ajudava na alimentação do menino e também na compra de fraldas. Mas a arte não ficou só entre os parentes.

“Eu resolvi postar em um grupo de pais de autistas que é do Brasil todo, tem mais de 100 mil pessoas. Ali foi o boom onde aconteceu tudo e todo mundo perguntando ‘tá, mas vocês vão vender?'” , lembra o pai, Caio Dias.

Para poder se dedicar aos cuidados do filho, Oneida passou a ficar em tempo integral com Daniel. Já o pai é músico e a receita da família diminuiu muito durante a pandemia do novo coronavírus. Dessa forma, o resultado das vendas ajudam bastante.

Arte do Dani está disponível em dois materiais: cerâmica ou polímero. Os preços variam entre R$20 e R$30.

O dom do menino foi descoberto pelos pais de uma forma inusitada enquanto ele brincava com o tablet da família.

“Era um programinha que a gente instalou pra ele e que a gente nem sabia que era de desenho. Era do ‘Ursinhos Carinhosos’ que tinha uma parte pra desenho. Ele descobriu e começou a desenhar e descobriu como salvar as fotos”, lembra Caio.

Fonte G1 RS

Educação na pandemia

Por: Mariela Perez Elguy – Docente do Senac Santana do Livramento A educação vem sofrendo mudanças significativas nos últimos tempos, levando cada vez mais o

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies