Vaquinha “Todos pelo Davi” atinge meta para cirurgia de menino

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A comunidade santanense começou a semana com uma excelente notícia. Davi conseguiu o valor de R$ 7 mil para sua cirurgia. o valor foi arrecada através de doações e uma vaquinha online no site Vakinha.com. Pâmela, mãe de Davi antecipa seus agradecimentos para cada um que ajudou neste momento que tanto necessitava.

Davi Luís, uma criança de apenas quatro anos de idade precisava da ajuda da comunidade santanense neste momento. Desde o início da sua vida, Davi já é um guerreiro. Em setembro de 2015, Pâmela Velasque, mãe de Davi descobriu que estava grávida dele. E teve uma gravidez tranquila, porém aos sete meses, a bolsa rompeu e Pâmela, precocemente, entrou em trabalho de parto, com Davi nascendo no dia 24 de abril de 2016.

Pâmela conta que sempre quis ter um menino, pois já tem duas meninas, a Bruna e a Ana Júlia e que quando Davi chegou na idade de engatinhar, ele não conseguia realizar a ação: “É o sonho de todo casal ter filhos, primeiro vieram as meninas Bruna e Ana Júlia, para a família ficar completa faltava o menino. Ele cresceu e quando tinha tamanho para sentar e engatinhar notamos que ele não conseguia e havia algo diferente, depois de consultar com o pediatra ele indicou levar a um neuropediatra, não conseguimos pelo SUS, então com a ajuda de familiares e amigos arrecadamos o valor e levamos particular, aos 9 meses descobrimos que ele tem paralisia cerebral e iniciou nossa luta com consultas e fisioterapias”, conta.

Ela destaca que é de família simples e financeiramente falando, as condições são somente para manter a casa e a família: “Somos trabalhadores, mas nossas condições financeiras são apenas para sobreviver, todos sabem que pelo SUS o processo é mais demorado. Após três anos de espera, conseguimos a consulta com o ortopedista e agora o Davi precisa fazer uma cirurgia, nosso sonho é que ele consiga caminhar, porém a prioridade agora é corrigir uma luxação que ele tem no quadril que pode se agravar aumentando as chances de sequelas irreparáveis como dor crônica debilitante e da capacidade funcional”.