“A imputação que o MP fez em relação ao Ico, se refere a fatos por ele praticados”, diz Procurador da República

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Rodrigo Graeff ainda garantiu que todas as oportunidades para que Ico apresentasse sua defesa foram dadas, mas que o Prefeito preferiu se omitir

O Procurador da República, Rodrigo Graeff afirmou nesta terça-feira (12) que o Prefeito afastado Ico Charopen (PDT) está sendo cassado por conta de irregularidades em seu mandato. “A imputação que o MP fez em relação ao Ico, se refere a fatos por ele praticados durante o exercício do mandato de atribuição exclusiva e responsabilidade do prefeito”.

A afirmação foi feita durante o programa Conversa de Fim de Tarde, na rádio RCC FM (95.3), quando o Procurador buscou esclarecer alguns pontos da situação do processo que é objeto da cassação do Prefeito Ico na Câmara Municipal de Vereadores.

Graeff ainda explica que o Prefeito afastado teve diversas chances de apresentar justificativas às acusações, mas mesmo assim, não o fez. “Essa imputação foi feita perante o Poder Judiciário, o qual oportunizou a ampla defesa e o contraditório ao então gestor do município que teve todas as oportunidades constitucionais e legais para demonstrar eventual licitude e probidade na sua prática”.

Desta forma, o Procurador ainda destacou: “O que não aconteceu foi a observância, a resposta e a prestação de contas em relação ao período do mandato do Prefeito. Inclusive, foi oportunizado várias reuniões na sede da Procuradoria da República em (Sant’Ana do) Livramento em que houve o compromisso de cumprir, obedecer e responder os ofícios (por pare do Prefeito)”.

Antes de encerrar a sua fala, Graeff frisou novamente que todas as acusações feitas pelo MP ao Prefeito afastado Ico Charopen dizem respeito apenas ao seu mandato, o que contrapõe a afirmação feita pelo ex chefe do Executivo de que “tudo isso caiu em seu colo quando assumiu”.

Ao final da sua participação no programa, o Procurador ponderou: “É muito importante esclarecer aos gestores que não é uma simples questão de “ah não vou responder”, vai chegar o momento em que vai ser preciso responder perante ao Judiciário e foi o que aconteceu neste caso. Além disso, essa praxe dos gestores em geral […] eles tem um modus operandi, em regra, imputam a responsabilidade à gestões anteriores, dizem que não sabiam, embora assumam a responsabilidade pelo município”.

 

Texto: Murilo Alves

Foto: Marcelo Pinto/AP