MP recorre de decisão que mandou 54 apenados para prisão domiciliar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Despacho levou em conta presos que estariam em grupo de risco para o coronavírus

O Ministério Público (MP) ingressou com mandado de segurança junto ao Tribunal de Justiça (TJ) contra prisão domiciliar, com uso de tornozeleira eletrônica, para 54 presos do Presídio Central e da Penitenciária Estadual de Porto Alegre. A medida foi solicitada pela Defensoria Pública Estadual, que pediu o benefício a todos os apenados que se enquadravam em grupo de risco — pessoas com idade acima de 60 anos e/ou com doenças crônicas —, o que representaria, inicialmente, 423 pessoas.

Na decisão, a 2ª Vara de Execuções Criminais de Porto Alegre concedeu benefícios a presos condenados por crimes como roubos e “algumas condenações por homicídio que sejam fatos isolados”, chegando ao conhecimento do MP o número de 54.

A promotora Ana Lúcia Cioccari sustenta que “o Ministério Público é contrário a decisões concessivas de prisões domiciliares a presos em regime fechado, sem que sejam avaliadas as condições individualizadas de cada caso em concreto, pois a situação de excepcionalidade da pandemia pela disseminação da covid-19 não justifica, por si só, a soltura de presos”.

Segundo o MP, a decisão levou em conta apenas a Recomendação nº 62/2020 do Conselho Nacional de Justiça e determinou a prisão domiciliar pelo prazo de 90 a 100 dias, para que depois os presos se apresentem às casas prisionais e voltem a cumprir a pena no regime anterior — salvo decisão que prorrogue a medida.

Conforme a promotoria, também não foi levado em conta o parecer técnico do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers), que recomenda o isolamento de presos pertencentes a grupos de risco durante a pandemia de covid-19.

Fonte: Gaúcha/ZH

Foto: Félix Zucco / Agencia RBS