“Isso aí é um ato daqueles que querem entrar”, diz presidente da Câmara sobre manifestação para baixar salário dos vereadores

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O presidente da Câmara de Vereadores de Sant’Ana do Livramento, vereador Romário Paz (MDB), criticou, nessa segunda-feira (06), a manifestação feita durante a madrugada em frente ao Legislativo Municipal. Em um cartaz, os manifestantes questionaram em quanto os parlamentares reduziriam os seus salários para ajudar o povo, durante a crise econômica gerada após instalada a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19).

“Há 15 dias eu fiz a solicitação para a nossa procuradoria para que nós reduzíssemos em 30% o salário dos vereadores, só que é algo inconstitucional, que eu posso ser apontado também. Deveria ser algo que cada vereador propusesse a sua parte dizendo que quer o seu salário 30%, aí tudo bem. Agora, eu gostaria de reduzir de toda a folha de pagamento da Câmara, mas não podemos”, afirmou ele, em entrevista na Rádio RCC FM.

O parlamentar destacou que cada um dos vereadores deve fazer o comunicado, mas que, até agora nenhum havia comunicado e que também não seria o primeiro a fazer. “Até porque não vou ser eu quem vai criar um conflito lá dentro, tu sabe bem como que é, tu entende bem como é que funciona”, disse ele ao repórter Cleizer Maciel.

Romário complementou dizendo que faz a sua parte na minha comunidade onde tem “uma expressiva votação”. “Eu estou atendendo todas as famílias que estão necessitadas, então eu sinto bem tranquilo de falar que eu não vou reduzir, porque não vai ser a rede social que vai acabar querendo que eu reduza e não vai ser alguns comentaristas que tem aí, de ocasião, que vão fazer eu reduzir meu salário. Até porque eles têm que tentar é se eleger, não é querer dar pau nos outros. Para mim, isso aí, é um ato daqueles que querem entrar”, finalizou.

A faixa com a manifestação foi retirada antes do amanhecer desta segunda-feira (06). Recentemente, Câmaras de diversas cidades do Brasil propuseram a redução de salários em até 50%. Em algumas cidades a economia chega a R$ 1 milhão.