De olho no AGRO

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Exportações do agronegócio totalizam US$ 5,8 bilhões em janeiro

As exportações do agronegócio totalizaram, em janeiro, US$ 5,8 bilhões, recuo de 9,4%. O setor participou com 40,4% do total das exportações brasileiras. As importações do setor somaram US$ 1,2 bilhão (-1,6%) e desta forma o saldo da balança ficou em US$ 4,6 bilhões, de acordo com levantamento da Balança Comercial do Agronegócio, elaborado pela Secretaria de Comércio e Relações Internacionais (SCRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A queda nos preços dos produtos do agronegócio exportados pelo Brasil, de 7,4%, foram a razão preponderante para a redução das vendas externas em janeiro, segundo análise da Secretaria. Também ocorreu redução na quantidade comercializada para o exterior, que declinou 2,2% na comparação do mês de janeiro de 2019.
Carnes foram responsáveis por 23,2% do total exportado
As vendas externas de carnes (bovina, suína e de frango), açúcar e algodão, no primeiro mês do ano, ajudaram a compensar, em parte, a queda nos produtos do complexo soja – grãos, farelo e óleo (-31%) e dos produtos florestais – celulose, papel, madeira e suas obras (-33,8%).

As carnes foram responsáveis por 23,2% do total exportado e atingiram US$ 1,35 bilhão (30,9%). A carne bovina foi a principal carne exportada, com US$ 631,5 milhões (+38,1%). Tanto o valor exportado como o volume, 135,3 mil toneladas, foram recordes para os meses de janeiro. A carne suína também foi destaque com aumento de 79,9% no valor exportado (US$ 163,30 milhões) com 67,7 mil toneladas (42%). Já a carne de frango somou US$ 522,0 milhões, alta de 17%.

Mais um recorde histórico marca a safra de grãos com 251 milhões de toneladas
A quinta estimativa da safra 2019/2020 sinaliza novamente crescimento na produção brasileira de grãos. O levantamento divulgado nesta terça-feira (11) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) projeta um volume total de 251,1 milhões de toneladas, 3,8% superior ao da temporada passada, impulsionado pelas lavouras de soja e milho. O ganho é de 9,1 milhões de toneladas. De acordo com o estudo, está previsto, em relação à área plantada, um incremento de 2,5%, alcançando 64,8 milhões de hectares e acréscimo de 1,6 milhão de ha.
Soja tem produção nacional estimada é de 123,2 milhões de toneladas

As lavouras de soja, que ocupam uma área cultivada 2,6% maior, começam a ser colhidas com uma boa produtividade, mantendo a tendência de crescimento das últimas safras. A produção estimada é de 123,2 milhões de toneladas da oleaginosa – aumento de 7,1% – o que também representa um recorde na série histórica, graças à melhoria da distribuição das chuvas que sacrificaram a semeadura no início do plantio de muitos estados. Em Mato Grosso, maior produtor nacional, a colheita já está 25% finalizada, enquanto que em Mato Grosso do Sul e Goiás está no estágio inicial.
Safra do arroz prevê produção de 10,51 milhões de toneladas

O arroz entra na relação de beneficiados pelas condições climáticas, inclusive nas lavouras do Rio Grande do Sul, estado que produz mais de 80% do consumo nacional, com um aumento de 0,6% e produção de 10,51 milhões de toneladas. Por outro lado, o feijão primeira safra perde 0,1% na área, alcançando 921,4 mil hectares, mas com a melhoria do nível de produtividade amplia em 9,4% a produção, superando 1 milhão de toneladas. Já segunda safra, em início de cultivo, deve ocupar a mesma área da safra passada de 1,4 milhão de hectares.

Quebrando paradigmas – Eis a questão!

Sempre fui meio “fora da casinha”. Para os conservadores, uma disfuncionada precisando de ajuda psicológica; para outros, adiante do meu tempo. A história está aí