Jornal A Plateia comemora 83 anos de história

Noticiando fatos e levando informação sempre em busca da verdade

O Jornal A Plateia completou ontem (10), 83 anos de uma longa história na Fronteira. Essa marca é reconhecida como um dos melhores e mais antigos jornais do interior do estado do Rio Grande do Sul. Diante de algumas mudanças e evoluções, A Plateia continua acompanhando tudo o que acontece na Fronteira, seja no papel ou no virtual.

A história de A Plateia começou em 1937 com o fundador Carlos Varella, idealista, bancário, ruralista, empresário e jornalista por vocação, na época proprietário do Cine Teatro Internacional. Interessado em divulgar os filmes de seu estabelecimento, o empresário contratava colaboradores para realizar a distribuição de folhetos. Diante do fato de não estar atingindo o público alvo, tomou a decisão de criar um folheto de quatro páginas, contendo a programação semanal do cinema, deixando-os nas cadeiras da assistência à disposição de seus frequentadores.

Com o crescimento da popularidade do folheto, que circulava semanalmente, em 10 de janeiro de 1937, passou a circular diariamente, com informações gerais sobre o município.
Em 1948, o jornalista Carlos Varella teve que se afastar do jornal para atender seus negócios particulares, que haviam ficado em segundo plano. Naquele ano, A Plateia passou a ser propriedade do então delegado de polícia Miguel Zacarias. Três anos depois, o matutino foi novamente vendido, dessa vez para um grupo formado por Ivo Moreira Borges, Demétrio Cademartori e Sylvio Cademartori.
Em 1954, A Plateia passou a ter novos proprietários. Melanchin Toscano Barbosa assumiu a direção da empresa, transformando-a em uma das mais bem conceituadas do ramo jornalismo na Fronteira-Oeste. Para muitos, era estranho admitir que Sant’Ana do Livramento comportasse um jornal de tamanha importância.

Em 1968, um grande incêndio atingiu as instalações da empresa, então situada na atual Sociedade Italiana. Não só o material de trabalho se perdeu, mas também 30 anos de história nos arquivos consumidos pelo fogo.

Em 1972, Toscano vendeu o jornal para José Grisolia, que levou o diário a viver um de seus melhores momentos, administrado pela família. Após, assumiu a direção um grupo encabeçado por Glênio Lemos, além dos jornalistas Danilo Ucha e Kenny Braga, destacados profissionais da área no Rio Grande do Sul.

Em 1984, o empresário Elson de Ilha Macedo comprou o jornal e criou a Rede Comunitária de Jornais, responsável pela produção de seis jornais na Fronteira-Oeste, tendo adquirido um parque gráfico moderno para impressão de seus periódicos.

Até 2002, o jornal santanense era elaborado por 14 pessoas, sendo seis repórteres e oito colaboradores (colunistas). Apenas uma repórter era formada em Jornalismo, atuando no jornal como editora, além de outras funções. Os seis redatores realizavam entrevistas, escreviam, fotografavam, editavam e ajudavam na diagramação.

Em 2002, A Plateia foi adquirida por Antonio Badra, passando a pertencer à J.B.Empresa Jornalística. Até 2017, a impressão era diária, após isso, passou a ser semanal. Nesse tempo todo, foram grandes nomes do jornalismo revelados para o mundo e uma edição feita ao gosto dos fronteiriços.

Parceiro da comunidade, o Jornal A Plateia se firmou como um dos mais conceituados impressos gaúchos, e com certeza, o mais inovador, democrático e atento, já que se fala de dois povos, de dois países e de duas cidades que na verdade são uma só.
Com o passar dos anos, A Plateia também aderiu ao virtual, colocou no ar o site: http://www.aplateia.com.br/. Todo o conteúdo passou a ser disponibilizado no endereço virtual, permitindo que muitos consultem as notícias de casa, ou no celular, a um clique. Outro grande passo foi a conquista das redes sociais, o que nos aproximou de públicos diversos, deu-nos o crédito e mostrou agilidade de uma empresa com uma a tradição à visão jovem e empreendedora da JK Empresa Jornalística.

Durante as grandes coberturas do Jornal A Plateia também sempre foi em parceria com a Rádio RCC e TV A Plateia. Além da A Plateia em Espanhol, caderno escrito no idioma do país vizinho com dois prêmios: Marco de Oro, concedido pela Junta Departamental de Rivera em 2013 e outro concedido pela ADI – em Gramado , em 2011, noticiando tudo que ocorre no lado uruguaio da nossa Fronteira, com isso, nos tornamos o único diário bilíngue do Brasil.

Os parabéns pelos 83 anos de história são estendidos a todos colaboradores, diretores, assinantes, parceiros comerciais, leitores digitais, seguidores nas redes sociais (inclusive, o maior número de toda região), todos que, de uma forma ou de outra, acreditam no trabalho sério, honesto, transparente e que revela total credibilidade.
Que venham muitos outros anos, levando informações com transparência para a comunidade fronteiriça.

foto: Marcelo Pinto/AP

Lauren Trindade | variedades@jornalaplateia.com

Grupo Aplateia