Turista gaúcho é encontrado morto e outros dois ficam feridos após entrarem em comunidade de Florianópolis

Três turistas gaúchos, que passavam férias em FlorianópolisSanta Catarina, acabaram sendo confundidos por traficantes como rivais. Um deles foi encontrado morto na manhã desta segunda-feira (6) e dois deles foram feridos. O caso aconteceu no bairro Ingleses, no norte da Ilha, em um local onde o trio teria ingressado para comprar drogas na tarde de domingo (5). As vítimas são moradoras de São Leopoldo, no Vale do Sinos. As identidades não foram divulgadas pela polícia até o momento.

No início da tarde de domingo, conforme a Polícia Civil, eles ingressaram de carro na comunidade do Siri, com o intuito de comprar maconha. No entanto, os traficantes que atuam na área teriam confundido o trio com criminosos de uma facção rival.

— Os traficantes suspeitaram que eles fossem de uma facção aí do Rio Grande do Sul. E submeteram eles a julgamento — afirmou o delegado Ênio Mattos, da Delegacia de Homicídios de Florianópolis.

Os turistas acabaram sendo levados para dunas próximas dali, onde foram alvos de disparos. Um deles, de 21 anos, conseguiu escapar correndo, mesmo com um ferimento no abdômen, e pedir socorro.

A Polícia Militar esteve no local e encontrou outro jovem, com um ferimento na mão. Ele teve dois dedos da mão esquerda cortados pelos criminosos com facão. Também foi localizado no domingo um corpo em decomposição (de uma outra vítima, que não tinha relação com os turistas gaúchos). Segundo o delegado, o jovem que teve parte da mão cortada não foi morto porque os criminosos descobriram que ele não pertencia a uma facção.

— Nesse meio tempo, eles descobriram que eles não eram de facção nenhuma e, por isso, decidiram não executá-lo — explicou o delegado, que ouviu o jovem na tarde desta segunda-feira (6).

Na manhã desta segunda-feira a Polícia Militar retornou à área das dunas e encontrou o corpo do jovem executado escondido sob a vegetação. Ele foi morto a tiros.

— Os dois que tentaram escapar foram alvo de tiros. Um conseguiu fugir, mesmo baleado, e o outro acabou morrendo — afirmou o delegado, que relatou já ter identificado seis suspeitos de envolvimento no crime.

Os turistas estavam hospedados há cerca de uma semana no bairro Santinho. Ainda conforme o delegado, com eles havia um quarto morador de São Leopoldo, que teria indicado a comunidade do Siri como local para adquirir maconha. Ele teria regressado ao Rio Grande do Sul e ainda não foi encontrado.

Outro corpo encontrado

Além do jovem gaúcho morto, outro cadáver já havia sido localizado nas dunas na tarde de domingo. O corpo em decomposição seria de um morador da comunidade do Siri, que desapareceu em dezembro e tinha vínculo com o tráfico de drogas. Os autores dos disparos não foram localizados. Conforme a polícia, o local é utilizado pelo grupo criminoso como área para executar desafetos.

Os dois feridos foram encaminhados ao Hospital Celso Ramos, na área central de Florianópolis. O baleado no abdômen continua hospitalizado, mas o estado de saúde ainda não foi divulgado.

Casal morto em agosto

A comunidade do Siri, onde os três foram surpreendidos pelos criminosos, é a mesma onde um casal também do RS foi encontrado morto em agosto do ano passado. Murieli dos Santos Baptista e Thiago Ramos Veloso, ambos de 20 anos, foram executados a tiros.

Os corpos foram localizados na Rua Servidão Caminho das Dunas. Ela era moradora de Alvorada, na Região Metropolitana, e ele de Porto Alegre. O crime também estaria vinculado a ação de uma facção criminosa, segundo a polícia.

fonte Gaucha ZH

Grupo Aplateia